ARTIGO
Dezembro Vermelho
Pedro Ruas* | PSOL - 14:07 - 21/12/2018

Ao longo de décadas, desde o final dos anos 70, com a identificação do vírus HIV, a Aids foi um pesadelo para a humanidade. O diagnóstico da doença era visto como uma sentença de morte, o que se confirmava pelos óbitos de pessoas de todas as classes sociais e figuras públicas, algumas muito famosas, dentro e fora do nosso país.

A Aids mudou comportamentos, com prioridade para a informação e os preservativos, criou políticas públicas correspondentes e formatou uma nova forma de relacionamentos sexuais seguros, além de cuidados com qualidade de sangue nas transfusões. As propagandas dos governos e de instituições de saúde foram intensas e os resultados, no Brasil e boa parte do mundo, foram importantes e animadores. Depois, com o surgimento dos eficazes “coquetéis” de remédios, os óbitos passaram a ser evitados e parecia que caminhávamos rumo a um destino comum de poucos riscos.

Com lamento de poucos – e sofrimento de muitos – as coisas se inverteram, a cultura mudou e a doença voltou a expandir-se.

Nesse contexto, algumas regiões e cidades, no Brasil, despontaram – e se mantem - como lideranças negativas, onde figura o Rio Grande do Sul.  O nosso é o segundo estado no ranking infeccioso, com 31,8 casos positivados para cada grupo de 100 mil habitantes, o que é particularmente alarmante no caso das gestantes, pois 8,8 - para cada mil nascidos vivos - estão infectados. A população idosa está presente nos índices de novos casos de infecção pela doença.  Em relação às mortes, também o RS lidera, com 9,6 casos de óbito para cada 100 mil habitantes. Já Porto Alegre é a capital onde mais pessoas morrem de Aids no Brasil, com 22,4 óbitos por 100 mil habitantes.

Com base nessa situação, que é trágica, criei o Dezembro Vermelho (Lei 15.023), que fixa diretrizes para divulgação de dados – e outros meios de divulgação – para prevenção e tratamento da Aids. Seminários, debates e palestras estão sendo promovidas por várias instituições, em todo o Estado. Da mesma forma, em vários espaços ocorre a distribuição de material informativo visando a prevenção. A Assembleia Legislativa está com a sua fachada iluminada de vermelho, em alusão ao Dezembro Vermelho, chamando ao diálogo com a sociedade, no sentido de sairmos desse protagonismo que não interessa ao Rio Grande.

*Deputado Estadual

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30