GRANDE EXPEDIENTE
Sofia antecipa homenagem aos professores com cobranças e críticas aos governos estadual e federal
Olga Arnt - MTE 14323 | Agência de Notícias - 16:15 - 08/10/2019 - Edição: Sheyla Scardoelli - MTE 6727 - Foto: Evandro Oliveira

A deputada Sofia Cavedon (PT) antecipou em uma semana as homenagens da Assembleia Legislativa ao Dia do Professor, comemorado em 15 de outubro. No Grande Expediente desta terça-feira (8), a parlamentar falou sobre as dificuldades enfrentadas pela categoria e os desafios que têm pela frente, além de defender que o melhor presente para os professores é “respeito e investimento na educação”. “O mês consagrado à educação e às crianças terá que ser, mais do que nunca, mês de luta diante de governos que impõem rupturas na expansão do acesso e qualificação progressiva que vinha ocorrendo no Brasil a partir do Plano Nacional de Educação”, conclamou.

Sofia afirmou que, para se adequar à emenda constitucional que congelou os gastos sociais por 20 anos, os governos cortam recursos da educação e desprestigiam a escola pública, questionando seus resultados e apontando soluções na iniciativa privada. O Rio Grande do Sul, segundo ela, além de pagar os piores salários do Brasil fecha escolas, bibliotecas e turmas e retira, sumariamente, das listas de chamadas os alunos com mais de 18 anos. “A educação no nosso Estado está sendo reduzida à régua, sem levar em conta qualquer subjetividade. Desumaniza-se o processo e rompem-se, como quando trocam professores no final do ano letivo da forma como aconteceu no Julinho, colégio que abrigou nomes como Barbosa Lessa, Leonel Brizola, Moacyr Scliar, Paulo Brossard, Paixão Côrtes e Walmor Chagas”, denunciou.

A petista declarou ainda que os professores gaúchos estão sendo feitos de joguetes pelas coordenadorias de educação, que reduzem cargas horárias, alteram turmas, locais de trabalho e grade curricular a qualquer momento. “Triste façanha a nossa. Será que o governador não sabe que dia 15 é o Dia do Professor e da Professora? Ou é descuido ou ele age com requintes de crueldade pagando, dentro do mais longo parcelamento de salários, a primeira parcela dos vencimentos dos professores justamente no dia 15”, apontou.

A parlamentar afirmou também que todos os países que “deram a virada na educação” apostaram na formação de professores e na pesquisa, como acontece na Finlândia, cujos professores das escolas básicas têm mestrado, e Cingapura, que lidera rankings internacionais de qualidade de ensino. “No Brasil, no entanto, estimula-se os alunos a denunciarem os professores, ataca-se as carreiras, extingue-se direitos e ignora-se a pesquisa” elencou, lembrando que, ao mesmo tempo em que sucateiam a educação nacional, os governantes buscam fora do País alternativas privadas.

A petista criticou ainda as chamadas escolas cívico-militares, propostas pelo governo federal. Para ela, o modelo “não passa de laranja de amostra”, cujos recursos extras, cerca de um milhão de reais para cada unidade, serão usados apenas para o pagamento de tutores militares. Ela acredita que este modelo poderá, inclusive, aumentar a evasão, na medida em que impõem regras que não estão em consonância com a democracia e a liberdade.

Sofia encerrou seu pronunciamento ressaltando que “não basta fazer discurso em homenagem aos educadores, mas que é preciso tratar os professores como os demais profissionais”. “Hoje, o professor é tratado como cidadão de segunda categoria, não tendo condições de trabalho, sendo alvo de assédio e sofrendo, de forma perversa, alterações em seu regime de trabalho a qualquer momento. A valorização pode começar hoje mesmo com a rejeição do projeto de lei que acaba com a licença capacitação”, conclamou.

Os deputados Zé Nunes (PT), Luciana Genro (PSOL), Tenente-coronel Zucco (PSL), Fran Somensi (PR), Issur Koch (PP) e Sebastião Melo (MDB) se pronunciaram por meio de apartes.

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Grande Expediente

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia
Rádio Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul - Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000
Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30