PARLAMENTO
Comissão Especial do Câncer Infantil e Adolescente presta conta das atividades em audiência pública
Letícia Rodrigues - MTE 9373 | Agência de Notícias - 20:38 - 19/02/2020 - Foto: Vinicius Reis
Na noite desta quarta-feira (19), a Comissão Especial do Câncer Infantil e Adolescente no RS, presidida pelo deputado Dr. Thiago Duarte (DEM), realizou sua segunda audiência pública para prestar contas das atividades realizadas pelo órgão temporário. Instalada em 3 de outubro de 2019, a previsão é que os integrantes da comissão apreciem o relatório final, a cargo da relatora, deputada Franciane Bayer (PSB), no começo de março.  
 
Dr. Thiago fez a apresentação das atividades realizadas ao longo dos quatro meses de funcionamento da Comissão Especial, como visitas técnicas aos sete centros de referência no tratamento do câncer infantil no RS e a hospitais e instituições em outros estados. Ainda falou sobre alguns dos encaminhamentos que devem fazer parte do relatório final. "O objetivo é diminuir a morbidade, diminuir a mortalidade e aumentar a sobrevida dos pacientes", explicou.
 
Franciane Bayer relatou os conhecimentos adquiridos a partir das visitas técnicas e que um deles foi que, ao contrário do que se imaginava, o melhor tratamento para os pacientes de câncer infantil e adolescente é nos centros especializados e não necessariamente perto de suas casas. "Precisamos centralizar os atendimentos onde há especialistas que, quanto mais casos atenderem, mais especializados ficarão", declarou a relatora. Para isso, ela reessaltou a importância das casas de apoio para pacientes e familiares.
 
Zilá Breitenbach (PSDB), deputada que integra a Comissão Especial e também presidente a Comissão de Saúde e Meio Ambiente, ressaltou que o RS possui redes hospitalares e profissionais de saúde bastante qualificados, mas que é preciso agilizar o processo de atendimento aos pacientes com câncer. Ainda defendeu que as equipes de saúde passem por capacitação constantemente.
 
Visitas técnicas e audiências
No RS, foram visitados o Hospital Geral de Caxias do Sul, o Hospital Universitário de Santa Maria, o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, o Hospital São Lucas da PUCRS, o Hospital Santo Antônio da Santa Casa em Porto Alegre, o Grupo Hospitalar Conceição, e o Hospital São Vicente de Paulo, em Passo Fundo. Em SP, os parlamentares visitaram o Hospital Santa Marcelina, na capital paulista, e o Hospital do Amor em Barretos. Em Recife, foi visitado o Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira.
 
Também foram visitados o Instituto do Câncer Infantil em Porto Alegre, a casa de apoio Domus de Caxias do Sul, o Tucca (Tumor Cerebral na Criança e Adolescente) e seu Hospice dedicado a paliatividade de pacientes terminais na capital de São Paulo, a sede do Instituto Ronald McDonald no Rio de Janeiro e casa de apoio no Rio de Janeiro, além da Casa de Apoio Ronald McDonal em Barretos. Ainda houve audiência com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e com a direção do Conselho Federal de Medicina.
 
Encaminhamentos
Na audiência pública, foram citados sete encaminhamentos que devem compor o relatório final. São eles:
  1. Presença de oncologista pediátrico nos hospitais habilitados a receber e tratar pacientes de câncer infantil;
  2. Hospitais habilitados a tratar de câncer infantil devem ter expertise e experiência para atender pacientes oncológicos pediátricos (pelo menos 30 casos novos ao ano);
  3. Hospitais que recebem pacientes de oncologia pediátrica devem ter um ambulatório de parecer/diagnóstico de "porta aberta", facilitando o princípio basilar do SUS, que é a acessibilidade. A regulação dos pacientes ocorre depois;
  4. No RS e, em especial, em Porto Alegre se deve ampliar a rede de casas de apoio exclusivas para atender famílias e pacientes com câncer infantil;
  5. As equipes de atenção básica e de estratégia de saúde da família devem ser capacitadas para suspeitar do diagnóstico do câncer infantil;
  6. Os encaminhamentos entre os centro de referência precisam acontecer de forma desburocratizada;
  7. Diminuir índices de mortalidade e morbidade no Rio Grande do Sul, aumentando a sobrevida, estes são os objetivos.
Presenças
Também participaram representantes das Secretarias Estaduais de Saúde, de Educação e de Comunicação; da Casa Civil; do Ministério Público do RS; do Instituto do Câncer Infantil; da Santa Casa de Misericórdia; dos Hospital São Vicente de Paulo; do Hospital Geral de Caxias do Sul; do Hospital Universitário de Santa Maria; do Hospital de Clínicas de Porto Alegre; do Instituto Ronald McDonald; da OAB/RS; da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia; do Cremers, Amrigs, Simers, entre outras entidades.
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Comissão Especial do Câncer Infantil e Adolescente

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul - Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000
Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30