EDUCAÇÃO
Comissão de Educação solicita reversão da medida de corte dos repasses às creches parceirizadas
Marta Resing - MTE 5045 | PT - 15:08 - 20/04/2020 - Foto: Divulgação Gabinete
Reversão da medida de corte dos repasses às creches parceirizadas; instalação de negociação com as entidades; questionamento sobre o cumprimento das questões relativas à alimentação escolar e esclarecimentos quanto à forma de atendimento às crianças de 4 e 5 anos pela Prefeitura de Porto Alegre foram alguns dos encaminhamentos feitos na reunião online desta segunda-feira (20), da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do RS.

Conforme a presidente da Comissão, deputada Sofia Cavedon, a medida da Secretaria Municipal de Educação da capital foi repudiada pelos parlamentares presentes no encontro e informa que a ata da reunião será encaminhada ao Ministério Público de Contas, ao Ministério Público/RS, à Defensoria Pública, ao Ministério Público Federal, pois o corte nos convênios desconsidera o censo escolar e os recursos gerados para o FUNDEB em 2020. O documento também será enviado ao Governo Municipal.

A deputada destacou a reação contrária à ação da prefeitura "é uma reação suprapartidária". Outro documento gerado foi o posicionamento da Comissão contrária às notificações e processos de reprimenda abertos pelo prefeito contra Carolina Aguirre da Silva, presidente do Fórum Municipal da Criança e do Adolescente.

Sofia ressaltou em sua manifestação que o MP tem formalizado que não aceita cobrança de mensalidades e essas instituições sobrevivem dos repasses municipais e de outras ações coletivas de arrecadação. Quanto à merenda escolar, a deputada informou que o PNAE suspendeu os repasses dentro das instituições e que a legislação foi alterada para que os recursos repassados aos municípios sejam encaminhados às famílias em forma de cestas básicas. Afirmou ainda que que a Prefeitura da capital tem R$ 1.000.000,00 que deve se transformar em alimentos, inclusive adquiridos da agricultura familiar, e chegar às famílias. "Ao invés de cortar repasses, o prefeito deveria apoiar as instituições nessa tarefa, pois elas possuem metodologia e instrumentos para chegar mais rapidamente às famílias e fazer a entrega dos alimentos adquiridos com a verba do PNAE. 

Sofia avaliou que esse corte promovido pelo governo municipal tem uma ilegalidade a ser verificada, pois as mais de 20 mil crianças atendidas integraram o censo de 2019 que gerou mais de R$ 120.000.00,00 do FUNDEB e que não é possível romper o vínculo com quem gerou recursos para esse fundo.

Manifestação parlamentar

Participando da reunião o deputado Sebastião Melo declarou sua solidariedade à luta das creches parceirizadas, reconhecendo a importância de seu trabalho. Afirmou que se não fossem elas, a Prefeitura não daria conta do atendimento na educação infantil. São entidades que perpassam governos e julga que o bom senso deveria prevalecer que não é possível jogar os profissionais a perspectivas sem garantia de receber do Governo Federal. 

A deputada Luciana Genro além de declarar sua solidariedade, afirmou que a Prefeitura aproveitou o momento da pandemia para destruir a rede e abrir caminho para outra alternativa de atendimento que, ainda não se sabe qual será. Informou que, junto com a deputada federal Fernanda Melchiona, com os vereadores e a vereadora do PSOL, ingressou com uma representação junto ao Ministério Público do Trabalho.

O vice-presidente da Comissão, deputado Issur Koch disse que, infelizmente, é preciso usar a judicialização para garantir o atendimento à população. Se disse inconformado que as primeiras medidas de corte sejam na educação infantil e indagou se outras parcerias também tiveram corte. "Estranho essa ação, considerando o tamanho de Porto Alegre e do seu orçamento" e afirmou que a prefeitura utiliza o decreto de calamidade pública como muleta para cortar recursos da educação.

Manifestação representantes

Gérson Fonseca, do Ministério Público de Contas, representando o procurador-geral Geraldo da Camino, informou que receberam os materiais a respeito dessa situação e, também, os relativos às escolas especiais. Comunicou que participaria da reunião como ouvinte colocando o órgão a disposição para o que for necessário. 

Carolina Aguirre da Silva, presidente do Fórum Municipal da Criança e do Adolescente, contou que no início do mês de março, houve uma reunião com o comitê da crise de Porto Alegre e que, nessa ocasião, ficou acordada uma redução dos valores do repasse, garantindo a questão dos recursos humanos, implicando, apenas, em contenção dos custos referentes a outras questões de manutenção. "A decisão de suspender os repasses, oficiada no último dia 16, não representa o combinado além de inviabilizar as instituições que têm custos como aluguel, segurança e outros que precisam atender. Grave, também, é a determinação que os profissionais das creches sejam encaminhados ao programa do Governo Federal, visto às dificuldades para receber e às limitações que a própria Medida Provisória determina sobre quem tem o direito de receber", disse Carolina. Ela salientou ainda, que são 207 creches parceirizadas, presentes em todos os bairros da capital e responsáveis pelo atendimento de 98% da educação infantil do município, envolvendo crianças de 4 meses a 5 anos e 11 meses. Sobre as parcerias para a educação integral, com 22 instituições trabalhando em turno inverso com as escolas, cujos convênios, válidos até o mês de fevereiro, foram interrompidos e não teriam continuidade tão cedo. Isso atinge, também, todo o serviço de convivência da FASC disse afirmando que já estão ocorrendo demissões em massa. Sobre a parceria com a Lumiar, a informação recebida, conforme a presidente do Fórum, é que a parceria continua , pois ofertam Ensino Fundamental e trabalhos em plataforma virtual. 

Márcia Gil, do Conselho Tutelar da capital, informou que o CT se manifestou-se sobre a suspensão e destacou que as instituições, mesmo não atendendo crianças nesse período, não pararam os atendimentos sociais que fazem às famílias, caracterizando a suspensão como uma irresponsabilidade da gestão municipal. 

Isabel Letícia de Medeiros, presidenta do Conselho Municipal de Educação afirmou que o Plano Municipal de Educação não está sendo atendido, que a Educação Infantil é responsabilidade primeira do município e que essa suspensão inviabiliza, inclusive, o retorno às atividades quando a pandemia for superada. Informou, ainda, que o CME vai se manifestar sobre o assunto.

Elaine Timenn, coordenadora do Fórum da Educação Infantil, avaliou que a retroatividade é mais uma incoerência até porque, a Smed continua encaminhando crianças e solicitando documentos às instituições, o que comprova que elas não pararam de trabalhar. Disse que o sindicato patronal está também preocupado, pois, em se mantendo essa decisão da Prefeitura, muitas irão fechar e não terão condições de retornar às atividades. Sobre os trabalhadores das creches, afirma que, como são braços da Prefeitura, não podem acessar aos recursos do Governo Federal como determina o Secretário de Educação. Afirmou que a gestão municipal não respeita o objeto de seu trabalho e que pensa com a ponta da caneta, como se essas instituições fossem empresas privadas, geradoras de lucro. Informou também que o Governo Municipal não deu dinheiro para cestas básicas e que estas são frutos de doações e outras fontes de arrecadação buscadas pelas creches. Repudiou os processos abertos contra Carolina Aguirre da Silva, presidente do Fórum Municipal da Criança e do Adolescente, pelas ações de mobilização que promoveu contra as medidas adotadas pela Prefeitura. 
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Deputados

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia
Rádio Assembleia
COMISSÃO DE EDUCAÇÃO
PRÊMIO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE CINEMA
COMISSÃO DE SEGURANÇA E SERVIÇOS PÚBLICOS
» Veja mais

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul - Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000
Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30