GRANDE EXPEDIENTE
Luciana aponta custo social e humano do superávit perseguido pelos governos neoliberais
Olga Arnt - 14323 | Agência de Notícias - 15:42 - 17/02/2022 - Foto: Celso Bender

A deputada Luciana Genro (PSOL) ocupou o período do Grande Expediente da sessão plenária desta quinta-feira (17) para falar do custo social e humano do superávit perseguido pelos governos de inclinação neoliberal. A parlamentar criticou tanto o governo federal quanto o estadual, apontando a falta de políticas públicas para atender as necessidades da população, empobrecida pela pandemia, e a transferência de orçamento público para setores privados, por meio de mecanismos como as isenções fiscais.


Luciana classificou o governo de Jair Bolsonaro de negacionista e genocida, por subestimar a pandemia, desestimular a vacinação e o uso de máscaras e não adotar políticas de auxílio financeiro para os segmentos mais vulneráveis. “Felizmente, as pesquisas mostram que a população se deu conta de que Bolsonaro é uma fraude, e suas promessas de acabar com a corrupção e com a mamata se esboroaram. Só não vê isso quem está cego pelas fake news ou associado ao neofascismo”, declarou.

Governo Leite
A deputada do PSOL confrontou o discurso do governo gaúcho de “jactar-se do superávit” produzido no ano passado com a situação de “penúria” vivenciada por parcelas significativas dos gaúchos.  “O governo Leite tem se gabado de colocar as finanças em ordem ao produzir um superávit de R$ 2,5 bilhões no ano passado. Isso quer dizer, no entanto, que ele gastou menos do que arrecadou num momento em que o povo passa por enormes dificuldades, que deixou de gerar empregos, de dar comida e de investir nas escolas que estão caindo aos pedaços”, disparou.

O Rio Grande do Sul tem, segundo a parlamentar, cerca de 500 mil desempregados e 340 mil subocupados. Além disso, o número de autodeclarações de pobreza subiu 38% durante a pandemia. Antes, 53% dos gaúchos se declaravam pobres. Agora, são 70%.

Luciana criticou também a política para o funcionalismo. “O governo Leite atacou professores e servidores de forma cruel, retirando o pagamento do difícil acesso e descontando dias de greve que foram compensados. Os soldados da Brigada Militar vivem na penúria tendo que usar o próprio celular e o pacote de dados da internet para trabalhar”, revelou.

Ela afirmou ainda que o PSOL tem propostas diferentes para enfrentar a crise e administrar o estado, passando pela revisão de isenções e anistias fiscais sem transparência e que geram pouca contrapartida. Citou, entre outros exemplos, o caso da empresa Videolar que está autorizada a fruir R$ 230 milhões e tem como obrigação gerar cinco empregos. “São R$ 45 milhões por emprego”, contabilizou.

Luciana defendeu também a não adesão do estado ao Regime de Recuperação Fiscal, argumentando que a dívida com a União já foi paga e que o acordo proposto “é uma falácia que irá estourar no colo dos próximos governadores”.

Por fim, a parlamentar pediu a aprovação do projeto de lei de sua autoria que aumenta o imposto sobre as grandes fortunas e reduz o tributo sobre as pequenas. A proposta, conforme ela, tem o potencial de gerar uma arrecadação superior a R$ 200 milhões por ano. “Achamos que a crise deve  ser paga por quem está no andar de cima e que sempre ganhou. Esse projeto é um exemplo de como podemos fazer isso”, finalizou a deputada.
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Grande Expediente

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia
Rádio Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul - Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000
Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30