ARTIGO
A importância de emancipar
Décio Franzen* | PDT - 10:52 - 29/10/2013
Infelizmente, o projeto que regulariza criação de novos municípios, engavetado no Congresso há quase vinte anos e que tramita no Senado, se prosperar, não vai ajudar em nada às mais de 47 localidades que desejam emancipar-se de seus municípios de origem. Uma das exigências da legislação não poderá ser preenchida por estabelecer a necessidade de mais de 12 mil habitantes nos novos municípios. Aliás, este pré-requisito contemplaria poucos municípios emancipados nos últimos anos no Rio Grande do Sul, pois 90% deles tem menos 10 mil habitantes. A emancipação é fator decisivo para alicerçar desenvolvimento econômico e social. São inúmeros distritos, bairros e vilas que aguardam ansiosamente a hora de serem cidades, muitos deles localizados em centros políticos distantes da sede e nem sempre atendidos pelas administrações. Acompanho de perto a busca de emancipações e, na Assembleia Legislativa, tramitam quase 50 pedidos. Dentre eles, estão alguns de minha região como Arcoverde, de Carlos Barbosa e Barão; Vila Cristina, de Caxias do Sul; e Santa Terezinha, de Bom Princípio. Represadas e jogadas em um vazio legal desde 1996, quando uma emenda à Constituição retirou dos Estados a prerrogativa de legislar sobre o tema, as emancipações ganham atenção devido à quantidade de distritos que almejam autonomia.
 
Representante do Vale do Caí na Assembleia Legislativa, acompanho de perto o desenvolvimento de dezenas de progressistas municípios que adquiriram independência política e administrativa nas últimas levas emancipacionistas. A emancipação culminou em progresso e desenvolvimento social, melhorando consideravelmente a vida de seus habitantes em itens como saúde, educação, moradia, lazer e até mesmo segurança pública. A maior parte dos postulantes a novos municípios quer progredir, queixa-se de descaso na sua origem; de ausência de retorno para a atividade econômica; grande extensão territorial do município sede e aumento da população sem melhorar as condições.
 
Sou emancipacionista, pois a vida está no município. É ali que ela se desenvolve cercados de nossa família e de nossos amigos, somos felizes ou não.
Lembro ainda que o Estado não está no ranking de desenvolvimento no país por acaso: a descentralização política administrativa ajudou, e muito, para isto acontecer. Com a mudança da lei emancipacionista, permitindo que os parlamentos estaduais decidam, promoveremos novas e grandes transformações nas comunidades e no Estado.
 
 
*Deputado estadual
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30