ARTIGO
Leilão de Libra foi um “empate sem gols”
Jorge Pozzobom* | PSDB - 11:06 - 01/11/2013

Foi impressionante assistir à euforia com que parlamentares da base aliada ao Governo defenderam na tribuna da Assembleia Legislativa o leilão do Campo de Libra, a maior reserva de petróleo conhecida do Brasil. O leilão foi anunciado na última semana pela presidente Dilma Rousseff como “Um passaporte para um futuro de prosperidade. Um grande passo para a exploração do petróleo no pré-sal, usando um novo modelo, chamado modelo de partilha. E esse modelo de partilha vai continuar nos próximos leilões do petróleo do pré-sal, já que garante um equilíbrio justo entre os "interesses do povo brasileiro, da Petrobrás e das empresas estrangeiras". Ora, sabemos que o regime se chama partilha porque as empresas repartem a produção com a União. A Petrobras terá a maior participação no consórcio vencedor, de 40%. Isso porque, embora a proposta aponte uma fatia de 10% para a estatal, a empresa tem direito, pelas regras do edital, a outros 30%. A francesa Total e a Shell terão, cada uma, 20%. Já as chinesas CNPC e CNOOC terão 10% cada.

Eu não torço contra o Governo, porque quem sofre as consequências é o povo. Mas quando o presidente Lula assumiu a presidência, a Petrobras não devia R$ 112 bilhões. Na época do presidente Fernando Henrique Cardoso, a Petrobras não era a empresa fora do sistema financeiro que mais devia no mundo. Em agosto, notícia publicada no jornal Valor Econômico já afirmava que dívida líquida da Petrobras atingiu R$ 176,28 bilhões no fim do segundo trimestre. O montante é 19% superior ao obtido em 31 de dezembro do ano passado, de R$ 147,817 bilhões. Em junho deste ano, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Benedito Gonçalves negou pedido da Petrobras para deixar de pagar uma dívida de R$ 7,39 bilhões com a Receita Federal em razão de débitos de imposto de renda. Segundo informações da Receita Federal, qualquer empresa que tem dívidas com a Receita fica impedida de importar em razão da certidão de débitos.

Além disso não posso deixar de ressaltar a nova conduta do Partido dos Trabalhadores. Pois atualmente, o mesmo PT que, na oposição, tinha um discurso raivoso contra as privatizações e fazia campanhas eleitorais combatendo-as, hoje, no governo, está cada vez mais abraçado a elas. É só lembrar o que a presidente Dilma Rousseff falou em 2010: “É crime privatizar a Petrobras”. E a presidente está inaugurando um novo momento. Agora é o PT, que se dizia contra a privatização, que privatiza os aeroportos, privatiza as rodovias, sem contar que elevou a participação estrangeira no Banco do Brasil de 20% para 30%. Após passar anos e anos demonizando as privatizações, o PT rende-se à realidade de que o governo não possui capacidade de investimento para dotar o país da infraestrutura necessária para manter o crescimento econômico e, portanto, precisa dos investimentos da iniciativa privada.O pior é que além de não reconhecerem o erro histórico que cometeram, os petistas ainda relutam em admitir óbvio: transferências de prestação de serviços públicos para a iniciativa privada são privatizações. Concessão é apenas o nome técnico-administrativo. Tentam usar outras palavras para não reconhecer que praticam o que criticavam duramente no passado. Mais que desculpas ao PSDB, o PT deve desculpas à sociedade brasileira. Apregoou que a privatização é um mal e cedeu. O PT deve desculpas à sociedade brasileira como um todo.

É importante dizer ao leitor que não foi um leilão. Foi um empate sem gols. E quem saiu perdendo foi a Petrobras, porque ficou com 40% e a iniciativa privada com 60%. Mais ainda, iniciativa privada de empresas estrangeiras. Um pouco estranho para quem lembra que o PT era um Partido que tinha como lema “Fora FMI e Não às Privatizações”. O bom de ser um tucano e o mais importante de estar no PSDB, é que nunca mudamos de lado, nós sempre mantivemos lado, posição e coerência. Nunca precisamos mudar o nosso discurso.

(artigo publicado no jornal A razão de 31 de outubro de 2014)

*Deputado estadual

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30