ARTIGO
O Governador Tarso e a Copa do Mundo: a Lei deve ser cumprida
Jorge Pozzobom* | PSDB - 17:08 - 14/03/2014

Na última semana, assumi a titularidade na Comissão de Finanças, Planejamento, Fiscalização e Controle da Assembleia Legislativa. Na primeira reunião já anunciei que protocolaria requerimento na Comissão para exigir a descrição do impacto financeiro do Projeto de Lei 17/2014, de autoria do Governo do Estado, que propõe a concessão de isenção fiscal para empresas que investirem em estruturas temporárias da Copa do Mundo. Tive a iniciativa porque tenho convicção de que a matéria viola o artigo 14 da Lei de Responsabilidade Fiscal. A Lei exige que, quando há uma renúncia fiscal da ordem de R$ 25 milhões, se aponte a compensação fiscal no próximo orçamento, e isto não acompanha o projeto. Da mesma forma, o Governo do Estado ainda não havia encaminhou o impacto financeiro desta renúncia, que deveria estar anexado ao projeto desde que ele ingressou no Parlamento. Além disso, o PL 17/2014 viola o artigo 50, § 9º da resolução 23.370 do TSE e o artigo 73, § 10º da lei 9.504/97. E quero compartilhar com você, leitor, estes dispositivos legais. Diz a Lei Federal 9.504/97 – Lei Eleitoral – no artigo 73, parágrafo 9, CONDUTA VEDADA: “No ano em que se realizar eleição, fica proibido conceder benefícios por parte da Administração Pública” (CF. § 10 do art. 73 da Lei nº 9.504, de 1997, e § 9° do art. 50 da Resolução TSE nº 23.370, de 13.12.2011, relator Ministro Arnaldo Versiani). Diante desta constatação protocolei documento apontando a inconformidade do projeto do Governo com a Lei no Ministério Público Estadual, no Tribunal Regional Eleitoral, no Tribunal de Contas do Estado e no Ministério Público de Contas, pois de acordo com a minha avaliação jurídica e não política, o projeto é ilegal. O governo não pode conceder benefício fiscal no ano eleitoral.

Nesta semana, os órgãos que exercem a fiscalização e controle do Poder Executivo, ou seja, no caso dos atos do Governo do Estado apresentaram a sua posição e sugestões em relação as chamadas “Estruturas Temporárias” da Copa do Mundo. Nova reunião deverá acontecer nos próximos dias para que sejam realizados ajustes legais.

Outro aspecto interessante de se observar é a mudança de posição do Partido dos Trabalhadores que, antes do Governo Tarso Genro, se colocava contra qualquer tipo de isenção fiscal para grandes empresas. Agora, o Governo petista propõe abrir mão de receitas que poderiam ser aplicados em saúde, segurança e educação para financiar as estruturas temporárias de um evento privado, como a Copa do Mundo. Eu não mudei. Desde que assumi o mandato no Parlamento gaúcho sempre afirmei que seria um deputado de oposição com proposição. E este projeto é um exemplo de que o verdadeiro papel da oposição é fazer com que o Governo erre menos. Mais uma vez o Governador Tarso Genro quer descumprir a Lei e o PSDB identificou o erro e apontou o caminho.

(artigo publicado no jornal A Razão de 13 de março de 2014)

 

*Deputado Estadual

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30