ARTIGO
A segurança passa pela cultura da paz
Valdeci Oliveira | PT - 09:18 - 15/04/2014

Avaliar as causas da criminalidade e da violência e propor formas de anular a evolução desses fenômenos sempre rende um bom debate e boas polêmicas. Santa Maria está envolta nesse tema, a partir da escalada de homicídios registrada em 2014, e as autoridades que lidam direta ou indiretamente com o setor estão desafiadas a conter essa tendência.

Particularmente, estou longe de ser um especialista no assunto, porém, a vivência política com as questões públicas e a oportunidade de ter sido prefeito e agora deputado estadual me permite fazer algumas avaliações mais concretas a respeito e ter algumas convicções. Uma dessas convicções firmadas, e corroboradas em reuniões com especialistas no tema em nível de Estado, é de que, também na área da segurança, é melhor prevenir do que remediar. É melhor antecipar o problema do que depois correr atrás do prejuízo. As cidades que apostam em programas permanentes e abrangentes de prevenção têm apresentado indicadores de segurança animadores e que consolidam essa análise.

Devido a esta percepção acumulada, acredito que Santa Maria só tem a ganhar ao aderir ao Programa Estadual de Policiamento Comunitário, iniciativa pela qual estamos articulando desde fevereiro junto à Secretaria Estadual da Segurança (SSP) e à Prefeitura. Implantando em 2012 no Rio Grande do Sul, o programa está presente hoje em 13 cidades, entre elas Caxias do Sul, Canoas, Novo Hamburgo, Parobé, Cruz Alta, entre outras. Conforme a SSP, todos os municípios que implantaram o programa já solicitaram ao governo do Estado a expansão do número de núcleos existentes. Além disso, mais cidades desejam ingressar na iniciativa. Por isso, nos próximos meses, o número de núcleos do Policiamento Comunitário situados no Estado passará de 86 para 147. E o número de policiais treinados para atuar no sistema passará de 340 para 600. A população beneficiada saltará para 1,5 milhão de pessoas, o mesmo número de pessoas cobertas pelas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) do Rio de Janeiro.

Na próxima segunda-feira (14), estarei em Caxias do Sul, junto com uma comitiva da Câmara de Vereadores e da Prefeitura de Santa Maria, para observar de perto os resultados do programa no primeiro município gaúcho que o implantou. Lá, 80% da zona urbana está coberta pela Polícia Comunitária e, nesse perímetro, à base de muito trabalho de prevenção, os homicídios despencaram quase 60% Queremos isso para Santa Maria e queremos isso logo, tendo em vista o cenário atual. Temos a total parceria do secretário estadual Airton Michels e o compromisso do prefeito Schirmer para implantar o programa até o final do primeiro semestre na cidade.

Certamente, a Polícia Comunitária não vai, de uma vez só, resolver todos os problemas de segurança da cidade, mas vai ser um componente importante para reforçar o trabalho de policiamento ostensivo e de investigação criminal já bem desempenhados pela Brigada Militar e pela Polícia Civil. Para se ter ideia, a Brigada realiza em média 400 prisões por mês na cidade. A Policia Civil contabiliza a resolução de 90% dos homicídios registrados. Pela força desses números, entendo como fundamental a qualificação do trabalho de prevenção somada a também um maior volume de iniciativas no campo social, como a ampliação de espaços e de políticas voltadas para a juventude e para a inclusão.

 Por outro lado, acredito que, nessa disputa contra as organizações criminosas, o Estado marcou pontos importantes ao, nessa semana, confirmar novos reajustes salariais para os brigadianos e policiais civis e ao garantir a reestruturação do plano de carreira dos servidores do Instituto-Geral de Perícias. A Assembleia Legislativa aprovou, por unanimidade, as propostas encaminhadas pelo governo do Estado, como já havia dado aval para a aposentadoria especial e para reajuste para servidores da Susepe. Com policiais valorizados, ações de repressão e prevenção qualificadas e programas sociais efetivos será possível sair da cultura pontual da violência para a cultura da paz. Santa Maria carece muito de paz e isso é possível alcançar com mobilização coletiva e união de esforços.

*Deputado Estadual

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30