ARTIGO
A importância da família, da sociedade e o caso Bernardo
Jorge Pozzobom* | PSDB - 17:34 - 28/04/2014

Vou usar o espaço de hoje para te convidar a fazermos uma reflexão sobre a importância da família e o triste e cruel fato ocorrido com a morte e desaparecimento do menino Bernardo Uglione Boldrini. E quero fazer esta reflexão, justamente pela família da minha esposa, com quem tenho duas filhas, sendo uma “filha do coração”, ser natural de Três Passos, uma cidade linda e extremamente acolhedora. Pode até parecer uma ficção, mas é lá que uma enfermeira (madrasta), um médico (o pai) e uma assistente social, três profissionais que lidam com a vida e à saúde das pessoas são os suspeitos pela morte do garoto de 11 anos.

Segundo revela a imprensa, a Polícia Civil investiga se o menino Bernardo teria sido dopado com analgésico antes da injeção que o matou. Ou pior ainda, hoje se discute se o menino foi ou não enterrado vivo. Esta confissão foi feita pela assistente social Edelvânia Wirganovicz, que participou do crime. ​O pai de Bernardo, Leandro Boldrini, de 38 anos, é médico cirurgião e dono de uma clínica na cidade de Três Passos (RS). Sua mulher, Graciele, é enfermeira e sócia na clínica. Bernardo chegou a procurar o Fórum de Três Passos para reclamar de insultos recebidos da madrasta e da falta de interesse do pai. Embora não tenha havido relato de violência física, o Conselho Tutelar recebeu a primeira denúncia em setembro de 2013. O Conselho foi ao colégio verificar a denúncia, em reunião com a equipe diretiva, psicóloga, assistente social e a criança. Depois juntamente com a assistente social do município, foram ao consultório do médico pai da criança para averiguar a denúncia e realizar alguns encaminhamentos. Após, o Conselho retornou à escola para saber da situação da criança. Em outubro, o Conselho Tutelar foi à casa da vizinha onde Bernardo ficou por quase 30 dias. Em outubro retomou contato com o pai e, depois da intervenção, recebeu relatório do colégio, no qual consta melhora após a intervenção do Conselho Tutelar, mas que sentia falta de amor do pai. No final de novembro, o Conselho Tutelar denuncia ao Ministério Público as infrações administrativas e penais cometida pelo pai da criança, Dr. Leandro Boldrini, e em dezembro, reitera a denúncia ao Ministério Público, onde informa que o pai não estava cumprindo as orientações. Depois de 15 atendimentos realizados pelo Conselho Tutelar, em 11 de fevereiro, Boldrini pediu uma chance para melhorar a relação com o filho. Em 13 de maio, pai e filho seriam novamente ouvidos.

O educador Antônio Carlos Gomes da Costa, um dos idealizadores do Estatuto da Criança e do Adolescente, afirma que a partir do momento em que as crianças ficam soltas na comunidade, há uma perda de referência em relação aos valores considerados importantes para o desenvolvimento de uma base sólida. Então, não basta apenas estar presente, é preciso qualidade dessa convivência, que deve ser marcada por um forte componente de presença educativa. No Brasil, a ausência dos pais na formação dos filhos é algo recorrente. Quando a família não dispõe de tempo ou condições para dar a base afetiva e educadora à criança, além de iniciar a vida escolar de forma bastante fragilizada, ela pode desenvolver carências que vão além do âmbito escolar. A qualidade das relações vai além do tempo com que os pais e os filhos passam juntos. Podemos nos fazer presentes por meio de telefonemas no meio da tarde, de bilhetes deixados em lugares estratégicos e de tarefas colaborativas para a dinâmica familiar. A escola é considerada a extensão da família e, trabalhando juntas, as duas instituições desempenham o papel de educadores. Muitas vezes, não é simplesmente a educação apenas que leva a criança a ter solidez e confiança naquilo que faz. Amor e atenção são fundamentais. Precisamos avançar.

É fácil falar depois de um caso ocorrido, mas não posso deixar de manifestar a minha opinião depois de mais este caso cruel envolvendo criança. Não podemos mais, como sociedade ser coniventes com casos como este. O direito à vida é uma garantia constitucional. E é nossa obrigação – obrigação de todos nós – preservarmos a vida. Não somente a nossa e de nossos familiares. Mas devemos sim intervir quando, como em casos como este, a família se omite ou deixa indícios de que por um grande período de tempo não possui condições de resolver um problema que se arrasta, sem solução. Mas é preciso que este caso, infelizmente, sirva para modificarmos as nossas convicções, nossas atenções, nossos conceitos, e agirmos sim, antes que novos casos Bernardo ocorram. Afirmo tudo isto pois agradeço todos os dias aos meus pais Albino e Tereza que me ensinaram a ser pai da Rafaela e da Victória.

(artigo publicado no jornal A Razão do dia 24 de abril de 2104)

*Deputado Estadual

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30