PDT
Uma Vida Sem Valores
Marlon Santos* | PDT - 15:13 - 20/05/2014
Vivemos um momento terrível. Mais do que nunca, as pessoas estão descrentes e seus víveres diários estão desprovidos de tolerância e bom senso. Tudo passa muito rápido e o tempo está inventariado muito mais para as coisas mecânicas e materiais que para as coisas do ser humano e seus sentimentos nobres e naturais.
 
A cada dia, todo o tipo de crime é noticiado. Acostumamos com isso. Está redundante e comum vermos assassinatos variados e molestamentos humanos, indiscriminadamente, de modo que nem nos surpreendemos com a selvageria de tais ações. Ou seja, o ser humano, como instituição que é, não está mais sendo visto e considerado e, pior ainda, além de ser só estatística, um número errante e incerto (pois nem o IBGE sabe se ele existe ou não, uma vez que sua constatação se dá por amostragens), vive descontrolado e sem modelos para seguir.
 
O desvario toma conta e a incessante produção de factoides tem despido as matérias sérias de ocuparem seus espaços, por isso a mente humana se fragiliza constantemente e o comportamento humano afunda num abismo de contrastes. Ninguém mais entende o que é possível e nem o que é razoável. Ninguém mais define o que é justo e o que é certo. Justifica-se tudo o que se quer justificar e, pior que isto, o desenho, que as vezes é só um risco, passa a ser realmente Francisco, quando a necessidade da parte, desde que poderosa, tenha necessidade de modificá-lo. Nem o Papa entende.
 
Lá se vão Bernardos, Isabelas, Magdas, etc-eteras, (até o etc mataram), e hoje já é outro dia e amanhã será outro e a vida segue. Mas que vida? Viver, gente, viver é diferente disso! Não é essa surra e essa fustigação constantes que enfrentamos. E tu, provavelmente, seja um daqueles que botam a culpa nos que estão no poder e tão somente neles. Está errado! Pois quem está no poder é teu filho! Igual ao teu filho que morreu ou mataram! Eles vêm com a educação que tu destes: falha e pífia! É que tu não faz a tua parte e te surpreendes diante das monstruosidades feitas e sofridas! A tua parte é fácil: é só ser mais bacana com os outros, é só, simplesmente, cumprimentar os outros. É só levantar essa mão pesada, dar um aceno. Não precisa nada além disso, caso não queira fazer nada mais difícil, pois basta um aceno para uma pessoa ver a outra como irmã. (Cumprimentar é mais difícil que falar mal, pois para o primeiro é preciso coragem). 
 
*Deputado estadual (PDT)
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30