ARTIGO
Preservando a essência da Lei Kiss
Adão Villaverde* | PT - 13:11 - 25/11/2014
Familiares das vítimas do sinistro da Boate Kiss que matou 242 jovens participaram, como convidados especiais identificados com dor similar compartilhada com os *hermanos*, do seminário realizado, nos últimos dias 18 e 19 na Câmara Legislativa de Buenos Aires, para reverenciar as 194 vidas perdidas em momento de celebração à felicidade.

O evento que recorda os 10 anos do incêndio da boate República Cromayoin ocorrido em 30 de dezembro de 2004 em Buenos Aires serve como um imprescindível alerta à sociedade argentina para que nunca mais se esqueça e para que jamais se repitam tragédias semelhantes às que a capital portenha e Santa Maria tiveram que conviver.

Na Argentina, ao menos houve punições de 14 indiciados, prisões de servidores públicos responsáveis pela falta de fiscalização e o próprio prefeito só escapou da condenação devido a supostas ingerências que envolveram o judiciário. Aqui, passados 22 meses, há um processo inconcluso.

Por irônica coincidência, no último dia 18, acerca de 1.400 quilômetros da capital argentina, na sessão plenária da Assembleia Legislativa, aqui,em Porto Alegre, corremos o risco de caminhar na contramão desta iniciativa evocatória da importância inquestionável da preservação das vidas humanas.

Quase foi aprovado pelos deputados, um projeto de lei aparentemente bem intencionado para contemplar instituições culturais e sociais, que poderia abrir uma lacuna devastadora na base do regramento da chamada Lei Kiss, alterando quesito de segurança que já estava superado pela legitimidade técnica dos especialistas e pela referência nas legislações mais avançadas em vigor no Brasil e no mundo.

Marcado pelo desconhecimento da nova legislação de incêndios no RS elaborada em Comissão Especial que tive a honra de presidir no Parlamento e já reserva tratamento diferenciado para estas edificações , tipo CTGs, clubes de eventos, salões paroquiais, ginásios esportivos, etc., o PL pretendia dobrar a área do enquadramento de prédios já contemplados no Plano Simplificado de Prevenção contra Incêndios (PSPCI), passando o limite de 750m² para 1.500m².

Com isto, a lotação das edificações seria automaticamente duplicada, sem exigir a correspondente adequação às necessárias medidas de segurança, proteção e prevenção, que tal alteração exigiria.

Mais do que o dever parlamentar, foi a responsabilidade social que me levou à tribuna para conclamar os deputados à reflexão e ao esclarecimento acerca do que, exatamente, estava em jogo.

Felizmente, o PL foi retirado porque os parlamentares entenderam que, além da demanda pontual que sempre pode ser repetida por outros setores inconformados com os critérios técnicos da legislação, o que se discutia era uma mudança essencial na lei, expondo novamente todos à irresponsabilidade que matou tanta gente que festejava a alegria de viver na Kiss e na Cromayon.

*Professor, engenheiro, deputado estadual (PT/RS)

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30