ARTIGO
Sobre a austeridade e a incoerência. No RS e no Brasil.
Gabriel Souza* | MDB - 11:54 - 23/02/2015

Uma nova legislatura se inicia na Assembleia Legislativa e os discursos já indicam a tática política da oposição: tentar esconder os erros do governo Tarso e desconstruir as políticas do governo Sartori. A oposição, especialmente a bancada do PT, investe no discurso de combate às políticas de austeridade que o Governador anunciou. Rebatem números, criam uma nova forma de contabilidade – a da “interpretação dos números” (sic) - e negam a situação tenebrosa das finanças públicas do Rio Grande do Sul.

Em suma, defendem exatamente o que fizeram durante o governo Tarso: endividar ainda mais o Estado, segundo a oposição, seria a saída para combater o próprio déficit público e retomar os investimentos.

Quem levanta essa tese não sou eu, e sim o próprio ex-governador Tarso Genro. No artigo “Sobre a austeridade. Na Europa”, Tarso defende que “austeridade reproduz mais austeridade, mais desigualdade (…)”. Ainda, em seu perfil no Twitter, diz não acreditar na crise financeira do Estado: “O uso da expressão rombo é farsa” (16/01) ou “para apoiar a ‘austeridade não é preciso falsificar dados sobre as finanças do RS” (11/01). Tarso não reconhece o rombo de R$ 7,1 bilhões nas contas públicas e defende o aprofundamento deste déficit.

Tarso e a oposição combatem as políticas de austeridade no momento em que assistimos a presidente Dilma Rousseff utilizar-se das mesmas para conter a despesa pública. Sim, porque o governo de coalizão liderado pelo mesmo PT no plano nacional faz exatamente isso, vide o corte de R$ 22,7 bilhões promovido pelo Ministério da Fazenda no início desse ano, atingindo principalmente a Educação (R$ 7,042 bilhões). Comparando, o decreto de corte de gastos do Governo Estadual gerará apenas R$ 600 milhões em economia em 2015.

Perceba que o momento atual das finanças públicas, aqui e lá, exige, para além das teorias econômicas, corte de gastos. Alguém já disse que “para solucionar um problema, o primeiro passo é reconhecer que ele existe”. Penso que é isso que os gaúchos esperam da oposição: apontar caminhos factíveis e não optar pela “crítica pela crítica”, o que os levaria a uma constrangedora incoerência política.

* Deputado estadual

 

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30