ARTIGO
É obrigatório atualizar a Legalidade
Adão Villaverde* | PT - 08:41 - 25/08/2015

Desde as comemorações conjuntas do Executivo e do Legislativo acerca dos 50 anos do Movimento da Legalidade, em 2011, quando presidíamos o Parlamento gaúcho, a Assembleia Legislativa rio-grandense incorporou, ao seu calendário institucional, uma Sessão Solene alusiva aos episódios de 1961.

Programada neste ano para ocorrer nesta quarta-feira (26), a solenidade serve para relembrarmos, sempre, os acontecimentos de agosto e setembro de 1961, resgatando a resistência democrática ao golpismo que pretendia impedir a posse de João Goulart na vaga deixada pela renúncia de Jânio Quadros. Mas serve, também, para recuperar os principais fundamentos que deram origem àquele épico movimento.

Sobretudo as grandes reformas apontadas vislumbradas por Jango e que tiveram na Legalidade, liderada pelo governador Leonel Brizola, a simbologia de que poderia se consolidar a ideia de um projeto nacional em nosso país.  Identificado com aqueles setores econômicos e sociais que vinham desempenhando um papel importante, não só social e econômico, mas também fixando a referência de um país que ganhava espaço do ponto de vista das relações internacionais. Aquele período aliou, ainda, uma grande compreensão da sociedade de que era fundamental cumprir e manter a Constituição, cumprir e manter a defesa da ordem e cumprir e manter no comando do país aquele que detinha o direito constitucional com a renúncia de Jânio: o vice presidente da República João Goulart, nosso Jango.

A Legalidade não foi apenas um ato de bravura de quem comandava a resistência, defendia a posse de Jango contra a vontade dos militares e das elites temerosas dos avanços sociais, e de quem estava com Brizola entrincheirado no Palácio Piratini ameaçado pelo bombardeio aéreo militar.

Foi também um evento com enorme apoio, ressonância e sustentação social, dando o significado e criando as condições para que, ao menos, fosse protelado aquele indesejável momento que infelizmente prosseguiu em nosso país com a ditadura implantada em 1964, que se estendeu até 1985 - e que imprimiu em nossa memória histórica a triste morte de um ex- presidente no exílio.

Passados quatro anos desde aquela celebração do Cinquentenário, seguimos vivendo um momento muito singular caracterizando um dos períodos mais longos da democracia na história política brasileira, com três décadas do regime de respeito às conquistas do Estado Constitucional Democrático do Direito.

Impõem-se, mais do que nunca, atualizar o nosso brado à Legalidade.  Especialmente em um período no qual o ódio e a intolerância de oportunistas, golpistas e neopassadistas parecem sobrepor-se ao respeito pelas opiniões contrárias e pelas decisões da maioria, legitimadas pelas regras democráticas.

Deputado estadual, engenheiro e professor

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30