ARTIGO
A modernização conservadora
Adão Villaverde* | PT - 13:33 - 04/09/2015
Quando o debate acerca das dificuldades das contas públicas gaúchas se dá em bases racionais e fundamentado em conteúdo, temos a unanimidade de que estamos diante de um problema que remonta a quase 40 anos em solo gaúcho. Mas se inflexão é de mera disputa política, faz-se circular recorrentemente a ideia de que a situação financeira só se agravou nos últimos quatro anos. De duas, uma: ou é uma enorme injustiça com o gestor passado ou impõe-se uma lógica de interesses reproduzindo a caracterização.

Como o governador Tarso Genro não era nenhum mágico nem tinha uma maquininha de fabricar dinheiro, e, alertado pelas dificuldades, usou os depósitos judiciais, garantiu os 12% da Saúde, pagou em dia os servidores, recuperou salários e propôs reajustes dignos, lutou arduamente para diminuir a dívida pública e ainda abriu novo espaço fiscal para não paralisar o estado, é evidente que, por trás das dificuldades das contas públicas há, sim, uma estratégia, portanto, interesses em jogo.

Como forma de questionarmos este aforismo irrefutável, é necessário avaliarmos a prática do atual governo, e não só seu discurso. Primeiro foram os cortes de pagamentos aos fornecedores, iniciando a paralisar os serviços públicos; depois a Lei de Diretrizes Orçamentárias retirando reajustes dos servidores já aprovados na Assembleia; na sequência, equivocados projetos de extinção das fundações. Ainda não contentes com isto tudo, promovem o parcelamento de salários e, finalmente, o projeto de aumento de impostos, ou seja o tarifaço, penalizando toda sociedade.

Em síntese, caos para os servidores e o serviço público, resistência na ampliação do uso dos depósitos judiciais, para exacerbar o quadro de dificuldades; e envio ao parlamento de bloco de projetos com repercussão de longuíssimo prazo sem nenhuma eficácia imediata (como o caso da Previdência). Instituindo a inércia, a falta de iniciativas e inaptidão de gestão como seu modo de governar, para, por fim, como num passe de mágica, num truque surrado e conhecido, apresentar uma espécie de modernização conservadora como única saída: aumento de impostos e privatizações.

* Professor, engenheiro e deputado estadual PT/RS

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30