ARTIGO
O fantasma do manicômio e o demônio conservador
Stela Farias* | PT - 16:12 - 28/10/2015
Há quase duas décadas, o Brasil deu um salto civilizatório ao promulgar as Leis das Reformas Psiquiátricas (Lei 9.716, de 1992, esta gaúcha e pioneira e a Lei 10.216 de 2001). São legislações estabelecidas para assegurar o cuidado em liberdade aos portadores de sofrimento mental, além de prever a existência de uma rede de atenção psicossocial, no lugar dos manicômios. Ambos os textos são resultado do intenso diálogo estabelecido na sociedade brasileira, no que ficou conhecido como Luta Antimanicomial.
 
A consequência do trabalho de psicólogos, médicos, enfermeiros, juristas, usuários e familiares colocou o Brasil entre os países com uma legislação moderna e coerente com as diretrizes da Organização Mundial da Saúde. Desde então, a Lei 10.216, que orienta a assistência psiquiátrica e estabelece uma série de direitos das pessoas portadoras de sofrimento psíquico, regulamenta as internações involuntárias, tendo a supervisão do Ministério Público, como instituição guardiã dos direitos indisponíveis.
 
A Reforma Psiquiátrica vai além do texto legal e dos efeitos comprovadamente positivos desta abordagem humanizada, alterando profundamente o cenário e o destino de seres humanos que antes eram condenados ao confinamento perpétuo e uma morte lenta provocada pela combinação fatal de isolamento, maus-tratos e medicamentos fortíssimos, que desligavam essas pessoas da realidade. A Parada do Orgulho Louco de Alegrete, evento que há cinco anos é referência porque materializa o resgate da capacidade do indivíduo de participar do universo das trocas sociais, das palavras e afetos e assim exercer sua cidadania plena, deverá finalmente ganhar âmbito estadual, integrando o calendário de eventos oficiais do Rio Grande do Sul. Chegar a esse patamar de civilidade só foi possível através de um processo intenso de debates, enfrentando todo um setor reacionário que infelizmente impera na saúde brasileira e invariavelmente é contra qualquer avanço que beneficie diretamente a população e bloqueie interesses muito mais financeiros do que de ordem pública ou de saúde da população. Portanto, continuaremos vigilantes e não vamos permitir que as pessoas que não cometeram crime algum, sejam trancafiadas, sedadas e escondidas dos olhos da sociedade, expediente brutal cujo tempo já passou e não deixaremos que volte.
 
 * Deputada, vice-líder da Bancada do PT na Assembleia Legislativa 
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30