ARTIGO
Na contramão mundial
Edegar Pretto* | PT - 11:25 - 12/11/2015
A ministra da Agricultura Kátia Abreu convocou representantes do setor a se unirem para combater o preconceito contra os agrotóxicos. O que a ministra chama de preconceito, na verdade é um modelo agrícola que coloca o Brasil na triste posição de campeão mundial no uso de produtos químicos. A ministra ignora que cada brasileiro o consume em média 7,3 litros de veneno por ano, índice que no RS é 8,3 litros, conforme dados da Associação Brasileira de Saúde Coletiva.

Kátia Abreu vai na direção contrária do movimento mundial que defende os benefícios de uma alimentação saudável, e afronta o direito da população em optar por uma produção limpa. Atualmente, existem mais de duas mil formulações de agrotóxicos registradas nos ministérios da Saúde, da Agricultura e do Meio Ambiente, sendo que dos 50 mais utilizados nas lavouras brasileiras, 22 são proibidos nos Estados Unidos e União Europeia.

Ao desprezar que o uso de veneno nas lavouras causa um desequilíbrio ambiental violento, que torna agricultores e consumidores vítimas, a ministra deixa de lado a necessidade de facilitar o acesso a informações técnicas sobre os agrotóxicos. Há evidências da presença de substâncias em amostras de sangue humano, água, leite materno e resíduos em alimentos consumidos pela população. Cabe frisar que o custo do agrotóxico à saúde é imenso, e mata.

Pesquisadores entendem que o modelo com base no uso de veneno está com os dias contados. Por isso estranhamos o sinal trocado vindo da ministra. Afinal, temos que reforçar apoio ao Programa Nacional para Redução do Uso de Agrotóxicos, elaborado pelo Governo Federal e defendido por movimentos sociais do campo e da cidade para estimular ações em defesa da vida saudável.

Na Assembleia Legislativa gaúcha, por exemplo, tramitam três projetos que protocolei sob o estímulo desta pauta. Um para proibir o uso da substância 2,4-D, outro que prevê rotulagem de alimentos produzidos com veneno e o terceiro que pede o fim da pulverização aérea.

Defendemos novas alternativas de produção de alimentos, entre elas a agroecológica. Também urge o incentivo à produção de defensivos naturais, que não maltratam o meio ambiente. Diferente da posição da ministra, está mais que na hora de darmos um basta às constantes tentativas de adoçar as verdades amargas que priorizam a qualquer custo o lucro de poucos. Queremos que os alimentos representem a vida, e não a doença.

*Deputado Estadual, Coordenador da Frente Parlamentar Gaúcha em Defesa da Alimentação Saudável

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30