ARTIGO
Os bons ventos nos trazem boas energias
Luiz Fernando Mainardi* | PT - 08:54 - 23/11/2015
Não fossem os atentados praticados pelo Estado Islâmico, teríamos participado, na semana que passou, em Paris, da EWEA 2015, a maior feira mundial de energia eólica. Os estados brasileiros teriam um espaço privilegiado para mostrar aos mais de 60 países presentes as suas potencialidades, visando atrair novos investimentos. Era o que nos movia. A delegação brasileira, organizada pela Associação Brasileira de Energia Eólica e pela Apex Brasil, da qual participaríamos juntamente com outro integrante da Frente Parlamentar de Energia Eólica, o deputado Frederico Antunes, cancelou sua participação. Já que ficamos impossibilitados de “vender o peixe” do Rio Grande do Sul, não seremos impedidos de fazer do assunto o tema de nosso artigo semanal no Jornal Minuano.

O aproveitamento da força dos ventos que sopram em abundância em várias regiões do País, especialmente no nordeste e no sul, para transformar em energia é uma tecnologia recente. Pesquisada intensamente desde a segunda grande crise do petróleo, no início da década de 70, na Europa (Dinamarca e Alemanha, fundamentalmente), começou a receber investimentos pesados nos anos 90. No Brasil, 15 anos depois, começou a merecer a atenção do governo que, em 2004, lançou o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica, o que elevou o País a um novo patamar no cenário mundial. A tal ponto que hoje é uma das fontes geradoras de energia que mais atrai investimentos, nacionais e internacionais.

Segundo os últimos dados do “Ranking Mundial de Energia e Socioeconomia (anos 2012/13/14)”, publicação anual da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético (SPE) do Ministério de Minas e Energia (MME), o Brasil, com geração de 12,2 terawatt/hora (TWh) de energia eólica em 2014, ocupa a 10ª posição no ranking mundial de geração da fonte, atrás de Portugal, Suécia e outros países. O ranking de 2014 eleva o país em cinco posições em comparação ao ano de 2013, quando o Brasil estava na 15ª posição. O forte aumento na geração de 2015 deverá levar o Brasil à 7ª posição no ranking. Os. Ao final de 2014, o Brasil ocupava o 3º lugar no ranking de expansão de geração eólica, com 5,6 TWh de expansão, perdendo apenas para a China (17,2 TWh de expansão) e para os Estados Unidos (14,1 TWh de expansão), e na frente da Alemanha (4,3 TWh) e Índia (3,6 TWh).

Aqui no Estado, o governo Tarso Genro contribuiu para colocar a energia eólica num lugar de relevo do desenvolvimento econômico e social, quando incluiu a cadeia produtiva na política industrial do Estado e criou o Programa Gaúcho de Estruturação, Investimentos e Pesquisa em Energia Eólica. Atualmente, temos 15 parques eólicos em funcionamento e 70 em fase de projeto ou de execução. Nossa região tem um futuro promissor nesta área. Além dos três pequenos parques projetados para Bagé, que devem disputar o próximo leilão de energia, temos o projeto Serra dos Ventos, centralizado no município de Hulha Negra, com extensões em Bagé e Candiota, em fase de elaboração. Há potencial, ainda, em Aceguá. São mais empregos, mais renda e mais impostos circulando em nossa região, ajudando a diversificar a nossa matriz produtiva.

Por entender a importância de estimularmos a geração de energia através de fontes renováveis, apresentei projeto na Assembleia Legislativa estabelecendo a adoção de Relatório Ambiental Simplificado para o licenciamento de empreendimentos geradores de energia com aquela tecnologia. Diminuir a burocracia para agilizar os investimentos.

Espero, com isso, colaborar para agilizar os investimentos que dinamizam nossa economia com a instalação dos parques eólicos, que atraem investimentos de empresas fabricantes de máquinas e equipamentos, além de abrir campo de trabalho para prestadores de serviços especializados.
 
*Deputado estadual
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30