ARTIGO
Realidade: antídoto para a insegurança
Marcel van Hattem* | PP - 10:36 - 26/02/2016 - Edição: Marcel van Hattem

Não é preciso repetir que vivemos uma crise na segurança pública. As manchetes deixam isso bem claro. O que precisamos é buscar soluções, analisando as razões de tamanha insegurança. Há causas imediatas, como o efetivo insuficiente e a histórica falta de investimento em equipamentos e estrutura para o combate ao crime. Mas o que vivemos hoje possui causas mais profundas, estruturais, de ordem ideológica e fisiológica.

A defesa ideológica da impunidade resulta no abjeto "prende-e-solta". Trata-se da justificação social do crime, bandeira recorrente em nossa esquerda. Entende-se que o crime é resultado da pobreza, cometido por meras "vítimas do sistema". Isso é um equívoco – e enorme preconceito, pois, afirmar que a delinquência advém da pobreza é chamar boa parte da população de delinquente. É preciso virar as costas à realidade para não perceber que, apesar da baixa renda, o povo brasileiro é honesto. E, se boa condição financeira fosse suficiente para acabar com o crime, a Papuda não estaria cada vez mais lotada.

Outro aspecto do problema é de natureza fisiológica. Há décadas, o RS gasta boa parte do que arrecada com áreas secundárias. Exemplo: optamos por manter uma gráfica e uma companhia de silos e armazéns. Estas e outras estatais aumentam os gastos, atrapalhando as reais prioridades. O critério de alocação de recursos deixou, há muito, de ser o melhor atendimento dos serviços básicos de segurança, educação e saúde e passou a ser o atendimento de interesses corporativos e sindicais. Basta comparecer à Assembleia em dia de votações importantes para encontrar categorias exigindo aumentos de suas fatias no orçamento – e sendo atendidas.

Crimes resultam de más decisões pessoais – e devem ser punidos. E a falta de critério e responsabilidade para com os gastos do dinheiro dos pagadores de impostos já passaram dos limites. Para resolver a crise da segurança, é preciso enfrentar o sucateamento das polícias, o fisiologismo estatal e o ideologismo político. Tudo com um bom choque de realidade.

*Deputado Estadual

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul - Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000
Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30