ARTIGO
A grandeza democrática do reitor contra o ataque à democracia
Adão Villaverde* | PT - 09:41 - 29/04/2016

Com reconhecida trajetória acadêmica e idoneidade pessoal inquestionável, o ilustre reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) certamente não necessita de defensor para suas posturas públicas eivadas de legalidade, respeito e cidadania. Entretanto, me atrevo a produzir estas linhas porque senti, em meus contatos pessoais, certa incompreensão quanto à atitude do professor Carlos Alexandre Netto que foi até a Câmara dos Vereadores pedir a reflexão dos edis porto-alegrenses para rever uma moção de repúdio emitida pela colenda contra um debate sobre a defesa da democracia realizado nas dependências universitárias.

Ainda que exemplos possam ser reducionistas, é emblemática uma postagem nas redes sociais feita por um cidadão entristecido e indignado, mas também contaminado pela convulsão política que viceja no país neste momento. “É revoltante ver o reitor humilhar-se diante de uma Câmara integrada por vereador que se notabiliza por gestos de intolerância, que tem relações com adeptos de práticas fascistas e que forjou esta moção partidária e reacionária, agigantando a onda de ódio e intransigência em que mergulha o Brasil”.

Para mim, ao contrário, o reitor mostrou grandeza política, superioridade pessoal e extrema noção de civilidade institucional, considerando, acima de tudo, o relacionamento funcional entre a representação dos cidadãos da capital e a universidade federal pública que ele muito honra. Com sua atitude nobre e desprendida, Netto assumiu integralmente a condição prioritária de autoridade máxima da UFRGS, acima da condição de professor doutor que é.

E, como tal, o reitor exibiu tolerância e respeito às divergências que diferenciam os democratas dos que acreditam que só uma única lógica - a sua- é a correta.

Característica do totalitarismo de triste lembrança nos anos de ditadura em nosso país, esta visão permeia a justificativa da moção de repúdio aprovada por diferença de um voto no dia 20 de abril na Câmara da capital.

 Em intervenção na tribuna do plenário da Assembleia Legislativa, denunciei a censura à natureza crítica do conhecimento e à própria autonomia da instituição universitária.  Disse que o documento aprovado é uma verdadeira salada de frutas ideológica, rasteira, sem conteúdo, sem fundamentação e consistência que recorre a ataques rebaixados ao reitor, ao vice-reitor e professores.

Lamentei, também, que fosse estimulado pelo PMDB, que tinha outra concepção do papel histórico da universidade, como espaço dialético da capacidade crítica e da ideia de desenvolver o senso crítico de forma plural que tanto preservava o saudoso intelectual e militante do “velho” MDB André Forster.

A moção, naturalmente, foi repudiada por diversas organizações democráticas porque evidencia, sobretudo, uma tentativa de cerceamento do debate de ideias, imprescindível em uma instituição que tem a missão de propagar o conhecimento, estimular a atitude crítica e fortalecer a formação de cidadãos dentro das regras institucionais do Brasil.

Entre seus equívocos, a moção refere-se à ocorrência de uma suposta “lavagem cerebral” no evento, que soa como um atentado à inteligência de professores e alunos universitários participantes do encontro. Neste sentido fantasioso, igualmente inventa a promoção de uma “apologia contra as instituições democráticas”, que é exatamente o oposto do que se propôs o evento, lastreado no respeito à Constituição e ao Estado Democrático do Direito. Também alude “à violação dos direitos humanos” em uma notória falta de argumentação coerente e séria para justificar a contrariedade dos seus interesses particulares.

Observei, na tribuna, que se fosse usada a mesma régua para adotar o critério de repúdio a um debate se poderia pedir às Câmaras locais para repudiar as universidades em Fortaleza, Recife e até a faculdade de Direito de São Paulo, onde, em espasmos de surto, a histriônica advogada Janaina Pasqual promoveu ato a favor do golpe. Porém, jamais faríamos isto, por que quem tolheu e censurou foi a ditadura, o regime autoritário, de golpes, de torturas e de eleições ilegítimas.

Ao final, pedi ao vereadores para revisarem suas posições na nova votação, programada para a próxima quarta-feira.

“Espero também que a ida do reitor à Câmara possa reverter a votação para recuperar o papel do Legislativo municipal em defesa da democracia, como elemento fundante da política e da sociedade”.

Com a palavra, e o voto, os vereadores de Porto Alegre.

O reitor já deu aula de grandeza.

*Deputado estadual, professor e engenheiro

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30