ARTIGO
Emergência para os hospitais
Ronaldo Santini * | PTB - 11:34 - 09/06/2016
A situação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos é caótica e os problemas necessitam de solução imediata, pois são muitos os hospitais que estão sendo obrigados a suspender atendimentos, a fechar unidades e a despedir servidores. Cerca de 1,2 mil pessoas prestigiaram a reunião das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos na AL/RS, evento organizado pela Frente Parlamentar de Apoio às Santas Casas, da qual sou coordenador, com a participação das Federações das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos e dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde. O tema foi a realidade financeira da rede hospitalar filantrópica, seus reflexos nos trabalhadores e no atendimento à população.
 
Duzentas e quarenta e cinco Santas Casas e Hospitais Filantrópicos atendem mais de 70% da demanda do SUS, ou seja, um universo de aproximadamente 7 milhões de pessoas em 197 municípios do Estado. Na maioria dos casos, trata-se do único hospital da cidade. Essas instituições são responsáveis por cerca de 550 mil internações/ano e empregam 65 mil pessoas.
 
Há quatro anos, os hospitais tinham um déficit anual de R$ 313 milhões. Há uma preocupação com a sobrecarga de serviços e com os 18 mil trabalhadores que, cansados e com seus salários atrasados, ameaçam paralisar suas atividades, o que é muito grave, porque vidas serão atingidas. Cinco mil trabalhadores saíram em férias e não receberam os salários, 6 mil trabalhadores foram demitidos, 3.500 leitos fechados, mais de 4 milhões de procedimentos deixaram de ser realizados, 60% das instituições têm dívidas com os profissionais médicos. O endividamento total destes hospitais já ultrapassa R$ 1,4 bilhão.
 
Juntamente com os colegas deputados Sérgio Peres (PRB) e Liziane Bayer (PSB) estou propondo a liberação dos jogos e cassinos no Rio Grande do Sul, como nova fonte de recursos para financiamento na área da saúde. Esta seria uma saída emergencial a grave crise da saúde. Igualmente, seria importante a recriação da Loteria do Estado (Lotergs) com parte do valor arrecadado destinado à saúde.
 
Como coordenador da Frente Parlamentar de Apoio as Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, entendo que é necessário encontrar novas formas de arrecadação, que não onerem ainda mais a população com a criação de novas tarifas e impostos. A destinação de recursos para os hospitais decide entre a vida e a morte das pessoas. Então, deixo meu apelo ao Governo do Estado para que reabra a discussão para encontrar uma forma de quitar esta dívida dos hospitais.
 
 *Deputado Estadual (PTB) - Coordenador da Frente Parlamentar de Apoio as Santas Casas e Hospitais Filantrópicos
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul - Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000
Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30