ARTIGO
A teia derrotista que imobiliza o Rio Grande
Adão Villaverde* | PT - 13:50 - 02/08/2016

Há cerca de um ano escrevi um texto intitulado “Sem mudar a estratégia entreguista”, que nem é preciso ajustar muito para deixar completamente atualizado à luz da triste inércia do Executivo rio-grandense. Em agosto de 2015, destaquei que “depois de 11 dias de atraso nos salários dos servidores, com a encenação midiática costumeira, o governador convocou entrevista coletiva – sem permitir a formulação de perguntas endereçadas a ele – para anunciar candidamente o complemento da folha de pessoal”.

Lembram do espetáculo circense montado no Piratini?

Registrei, então, que ele “nada mais fez do que cumprir, ainda que tardiamente, o disposto no artigo 35 da Constituição estadual da qual o próprio foi signatário, de que o governo tem obrigação de pagar, mensalmente, a remuneração dos funcionários públicos correspondente ao trabalho realizado”.

Observei naquele escrito, que, evitando, de certo modo, o agravamento incontornável do caos crescente no RS, Sartori “não alterou um milímetro sua estratégia política de desconstruir as funções públicas de Estado, cujas metas são bem conhecidas: o arrocho, as privatizações e o aumento de impostos”.

Ainda assinalei no artigo: “Por isto, assim, segue repetindo o mesmo discurso de que possui ‘um conjunto de ações estruturais’, embora siga praticando apenas medidas paliativas, empurrando com a barriga seguindo uma orientação que, além de tudo, já mostrou que não deu certo em lugar algum do mundo. E muito menos aqui, com Antonio Britto, Germano Rigotto, Yeda Crusius e agora o próprio José Ivo.

Neste tempo que passou, desde o alerta de agosto passado, o governo engordou a receita com a venda da folha de pagamento para o Banrisul e também conseguiu fôlego financeiro até o final do ano, sem precisar honrar a dívida com a união que o próprio Sartori ajudou a engendrar com Britto.

Ainda conseguiu aumentar impostos sensibilizando sua base parlamentar com a desculpa de que, sem a elevação linear de tributos, não teria como arcar com suas funções básicas de Estado.

Era lorota, como se viu.

Sartori seguiu com a naturalização das pedaladas dos parcelamentos e do atraso no pagamento salarial, culpando, portanto, o servidor público pela sua inoperância. Continuou sem investir em saúde, em educação e na segurança pública que, cada vez mais, preocupa todos os gaúchos pela sensação de medo e desamparo generalizado entre a população.

O pior é que não existem projetos de desenvolvimento para o Rio Grande e nem há expectativas de saídas a curto ou médio prazo. É como se o governo estivesse envolvido por uma armação de fios, como uma grande teia imaginária de derrotismo, que a tradição gaúcha nunca imaginou pudesse imobilizar o Rio Grande.

* Adão Villaverde é engenheiro, professor e deputado estadual

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30