ARTIGO
Pepe Mujica, doutor honoris causa do RS
Adão Villaverde* | PT - 12:34 - 17/08/2016

Ao levar a Montevidéu, junto com o colega deputado Luiz Fernando Mainardi, o convite da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) para que o ex-presidente uruguaio José Mujica venha ao estado receber o título doutor honoris causa da universidade pública gaúcha me senti imensamente honrado e gratificado.

Não é por acaso que este galardão é o primeiro que o Conselho Universitário da instituição decide conceder em seus 10 anos de atividades.

De fato, aos 81 anos, Pepe Mujica é merecedor da ilustre distinção por vários motivos consistentes.

Autodidata que estudou muito em seus 14 anos de prisão, a maior parte em celas solitárias, a que foi condenado pela ditadura do Uruguai (1975/1983), o ex-guerrilheiro tupamaro é um cúmplice nato dos educadores diplomados.

Enquanto foi chefe do executivo do país vizinho (2010/2015 ), ele abdicou de 90% de seu salário para destiná-lo a instituições de caridade e às escolas rurais das vizinhanças de sua chácara, a 30 quilômetros da capital, onde mora na companhia da esposa, senadora Lucía Topolansky e da  vieja cadela de três patas, chamada Manuela. Para ele, a educação dos jovens desempregados e sem ofício das redondezas pode ser o atestado para a alforria social, em um país  agropastoril de maioria idosa que sufoca crescentemente as contas da previdência pública.

Pepe Mujica governou com coragem inovadora, editou a medida de liberação da maconha para combater o tráfico organizado de drogas; apoiou o casamento de pessoas do mesmo sexo e o posicionou-se favorável ao recebimento dos detentos da prisão norte-americana na Baía de Guantánamo em Cuba, enfrentando todas as contrariedades e preconceitos, dentro e fora do seu país.

Foi um dos artífices da construção do encontro de Barak Obama com Raul Castro, contribuindo para o fim do bloqueio norte-americano a Cuba, após mais de meio século. Pepe disse a Obama que os norte-americanos deveriam fumar menos e aprender mais idiomas. Em um salão repleto da Câmara do Comércio dos EUA discorreu sobre os benefícios na redistribuição de riqueza e aumento do salário para a classe trabalhadora. Falou aos estudantes da American University que não existem guerras justas. “Todas são injustas”.

Quando o taxaram de “o presidente mais pobre do mundo”, Pepe também rejeitou o rótulo: “Uma pessoa pobre não é aquela que tem pouco, mas a que precisa sempre de mais e mais e mais. Eu não vivo na pobreza, vivo com simplicidade. Necessito de poucas coisas para viver”.

Quem seria mais indicado para ser agraciado com o título destinado a homenagear homens eminentes que, pela dimensão de sua obra, enriquecem a vida cultural, social e política de todos nós e que ainda por cima nos ensina lições de vida?

* Professor, engenheiro e deputado estadual (PT/RS)

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30