ARTIGO
Hoje, eu só temo a morte da democracia!
Juliano Roso* | PC do B - 15:29 - 06/09/2016
O dia 29 de agosto de 2016 deve ficar na história do Brasil. Nesse dia, a presidenta Dilma Rousseff foi até o Senado Federal, voluntariamente, para se defender das acusações que podem culminar com a perda de seu mandato. De cabeça erguida, Dilma respondeu serenamente ao questionamento de senadores que ali figuravam como coadjuvantes de um golpe parlamentar que abre precedentes graves para a democracia brasileira.
 
Digo coadjuvantes pois muitos deles não conseguiam nem justificar o voto pelo impedimento da presidenta. Faltava argumentação. Isso ocorre pela falta de crime. Como Dilma disse em seu pronunciamento, "desde a proclamação dos resultados eleitorais, os partidos que apoiavam o candidato derrotado nas eleições fizeram de tudo para impedir a minha posse e a estabilidade do meu governo. Disseram que as eleições haviam sido fraudadas, pediram auditoria nas urnas, impugnaram minhas contas eleitorais, e após a minha posse, buscaram de forma desmedida quaisquer fatos que pudessem justificar retoricamente um processo de impeachment".
 
Nós já vimos esse filme. Em 1964, muitos setores da sociedade — com representantes vivos e atuantes na política atual — negavam o golpe. O que vivemos foram décadas de repressão, crimes e perda de direitos. Mesmo tendo provado do gosto amargo da ditadura, parece que temos dificuldades em lidar com a democracia. Vale lembrar que diferentemente do que muitos esbravejam, Dilma é apontada nesse julgamento pela assinatura de decretos complementares para o custeio de programas de crédito, como o Plano Safra. É bom registrar que outros presidentes assinaram decretos semelhantes e nunca foram questionados pelo Tribunal de Contas da União. Isso sem falar em governadores.
 
Sem crime, sem enriquecimento ilícito, sem contas no Exterior, a presidenta eleita democraticamente pela maioria dos brasileiros se mantém firme no desfecho de um golpe que se iniciou antes da eleição passada. E dessa maneira entra para a história como a primeira mulher a presidir o Brasil. E, apropriando-me de um trecho do discurso de Dilma, destaco minha preocupação com os rumos do país: Hoje, eu só temo a morte da democracia!
 
*Deputado estadual
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul - Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000
Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30