ARTIGO
Novos tempos regressivos e obscuros
Adão Villaverde* | PT - 10:33 - 24/05/2017

Imaginemos uma aldeia em torno de uma fogueira agradecendo, com danças e cantos, àqueles, entre os seus, que produziram as rudimentares noções de um rudimentar conhecimento, a primitiva ciência e tecnologia, que estava na base de toscos instrumentos de agricultura e caça.

Foram esses fogos que iluminaram a travessia do gênero humano da barbárie para a civilização. E a reafirmação do nosso compromisso com o conhecimento é celebrada com o processo civilizatório e a dimensão ética da história humana.

Até aí, talvez tenhamos acordo, mas, quando agregamos a perspectiva crítica do conhecimento, parece que aquele aspecto de rebeldia e de inconformismo do saber diante de uma realidade que se pretende indiscutível, portadora da última e da penúltima palavra, incomoda muitos.

Pois questionar uma realidade, emudecida de formulações teóricas e esvaziada de conceitos, que diz saber tudo sobre tudo, e, o que é infinitamente mais perverso, sobre todos, perturba mais ainda.

De fato, nossos tempos já não admitem essa capacidade crítica, preferindo conformar- se diante do estabelecido; é o espírito que marca essa era regressiva e obscura. A opção é a simplificação da proclamação do fim das utopias, afigurando-se, portanto, como um epitáfio redigido sobre a lápide da capacidade crítica do saber.

Enquanto isso, a dita modernidade vai configurando-se como uma nova barbárie, revelando seres humanos identificados com a inocência selvagem de que os fins justificam os meios e que estamos num mundo do vale-tudo. Abrigados na difusa, pretensiosa e não menos mitológica autoridade do neoliberalismo. Que endeusa o reino acrítico das mercadorias sem admitir a capacidade crítica do conceito, fundamental legado iluminista que produziu e reproduziu também as utopias, que certamente implicam o processo da razão e do humanismo.

Esses podem sempre deixar sequelas de lucidez, como uma cicatriz aberta no dorso fosforescente e conformista de um mundo onde sonhos e utopias se confundem com medíocres desejos de consumo.

E, assim, brutaliza-se a vida cotidiana, tornando-se cega, seja diante de um crepuscular anoitecer sobre o Guaíba, seja diante da original delicadeza da paisagem outonal dos vinhedos gaúchos.

*Deputado Estadual 



© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia
Rádio Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30