ARTIGO
Nem neste ano, nem no ano que vem. Nunca
Gabriel Souza* | MDB - 12:39 - 14/06/2017
Após sete meses tramitando na Assembleia, a proposta do governo para suprimir a necessidade de plebiscito para privatização ou federalização da CEEE, CRM e Sulgás não pode ser votada pelos deputados. Mesmo afirmando ter os votos necessários para derrubar a matéria, a oposição impediu a votação, utilizando instrumentos regimentais que protegem a minoria parlamentar. O governo, então, retirou a PEC e apresentou o que a própria oposição defendia: a convocação de um plebiscito para que a sociedade exercesse seu direito de escolher qual modelo e tamanho de Estado deseja.

São inúmeros os discursos de deputados que, até então, defendiam veementemente o plebiscito. Surpreendentemente, após terem o pedido atendido, operaram dentro do parlamento para evitar a aprovação da convocação deste que poderia ser o maior episódio de exercício democrático da história do Estado.

O PT, utilizando-se de todos os recursos na Assembleia, exigiu, sem nenhuma fundamentação jurídica, um projeto de lei do Executivo completamente desnecessário, chegando a realizar um feito até então inédito nos 182 anos de história da Casa: não aceitar o protocolo de uma proposição subscrita por um terço dos parlamentares e que atendia a todos os requisitos regimentais e legais.

Tais “exigências”, que se tornaram uma verdadeira gincana parlamentar, foram cumpridas, não dando motivo para a oposição dizer que não haveria prazo para aprovar a convocação. Ocorre que, mesmo assim, PT, PC do B e PSOL foram os únicos a serem contrários ao acordo que possibilitaria a votação do projeto a tempo de realizar a consulta ainda neste ano. Curiosamente, o argumento de que “seria muito caro realizá-la em ano não eleitoral” não é utilizado quando os mesmos defendem as “diretas já” para antecipar as eleições para a Presidência da República.

A verdade precisa ser dita: o PT e seus aliados não querem o plebiscito nem neste ano, nem no ano que vem e farão de tudo para impedir que esse processo democrático aconteça. O receio provavelmente vem da insatisfação popular com um Estado grande, caro e ineficiente, que é, por razões ideológicas, exatamente o modelo defendido por esses partidos que impedem a população de votar e escolher qual futuro quer para o Rio Grande.

*deputado estadual e líder do governo na Assembleia

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30