ARTIGO
A banalização da violência contra a mulher
Juliano Roso* | PC do B - 08:45 - 05/09/2017
Um episódio recente ocorrido em São Paulo simboliza a banalização da violência contra a mulher existente no país. Um homem com mais de uma dúzia de denúncias e flagrantes pelo crime de assédio – que é uma violência tão cruel quanto a física - seguia solto com o aval da lei. Mesmo com a vigência da Lei Maria da Penha, que comemorou recentemente 11 anos, temos muito a evoluir. Pesquisa recente feita pelo Datafolha, encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança, indica que uma em cada três mulheres sofreu algum tipo de violência no último ano. Só de agressões físicas, o número é alarmante: 503 mulheres são vítima de violência no Brasil a cada hora.

O mesmo estudo informa que 22% das brasileiras sofreram algum tipo de ofensa verbal em 2016. E 10% das mulheres foram agredidas fisicamente, sendo que 8% de todas mulheres do país foram vítimas de ofensa sexual. O curioso da pesquisa é que mais da metade das vítimas, 52% das vítimas, se calou. Dando espaço para a continuidade da violência. Os números, infelizmente, são o retrato da cultura da violência contra as mulheres no Brasil. Avançamos alguma coisa, mas ainda temos muito o que melhorar. O caso do assediador de São Paulo é simbólico. Apesar das leis faltam critérios mais rigorosos das autoridades para lidar com o problema.

E essa mudança de atitude e de tratamento começa na sua casa, no seu trabalho e na sua família. Enquanto houver desrespeito, detrimento, preconceito e qualquer outra diferença de gênero vamos estar alimentando uma herança cultural em que a mulher era submissa ao homem e a ele pertencia. Precisamos dar fim a este triste retrato da sociedade brasileira. Precisamos ser vigilantes e propagadores da igualdade e respeito com a mulher. Somente a partir disso poderemos ter uma sociedade mais justa para todos.

* Deputado Estadual

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30