DESBUROCRATIZAÇÃO
Aprovado relatório final da Comissão Especial de Revisão Legal
Olga Arnt - MTE 14323 | Agência de Notícias - 15:30 - 07/02/2018 - Edição: Sheyla Scardoelli - MTE 6727 - Foto: Vinicius Reis
A Comissão Especial de Revisão Legal, presidida pelo deputado Marcel van Hattem (PP), aprovou por unanimidade, no início da tarde desta quarta-feira (7), o relatório final de suas atividades, elaborado pela deputada Any Ortiz (PPS). Contendo 186 páginas, o documento apresenta um conjunto de recomendações com o propósito de suprimir entraves burocráticos e enxugar o sistema legislativo estadual. “Trabalhamos na organização de diretrizes para a revisão do arcabouço legislativo estadual com o propósito de melhorar o ambiente de negócios no Estado e facilitar a vida do cidadão”, aponta a parlamentar.

Entre os encaminhamentos elencados pela relatora constam o apoio ao Projeto de Lei (PL) 250 2014, de autoria do deputado Ronaldo Santini (PTB), que cria o Comitê Estadual Desburocratizador, integrado por representantes dos três Poderes, Ministério Público, Tribunal de Contas do Estado e Defensoria Pública, e a instituição de grupo de estudo interdisciplinar, com participação de agentes públicos e privados, que terá como tarefas análise e proposição de soluções para os problemas apresentados pela sociedade e setor empresarial nas audiências públicas promovidas pela Comissão Especial ao longo de seus 120 dias funcionamento.

Any propõe ainda mecanismos de controle técnico e político, como a instalação de uma Comissão Especial Permanente de Revisão Legal a exemplo do que acontece na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, a modernização do Regimento Interno do Parlamento gaúcho, a implantação de canais de comunicação, o incremento da infraestrutura de pessoal do Gabinete de Consultoria Legislativa e a realização de convênios com instituições de ensino superior.

Desburocratização
Criada em 2017 por iniciativa do deputado Marcel van Hattem, a Comissão Especial de Revisão Legal percorreu as principais regiões do Rio Grande do Sul para discutir com a população soluções para os entraves legais que burocratizam a vida do cidadão e do empreendedor gaúcho. “O resultado do diálogo com a sociedade civil não poderia ser outro: a constatação de que temos uma classe empreendedora atada por amarras legais incompatíveis com a realidade. É tempo de admitirmos que algumas leis, que talvez um dia tenham sido interessantes, já não funcionam mais ou, pior ainda, atrapalham, e que nossa legislação estadual está ultrapassada e desorganizada”, defende Marcel.

O relatório final apresenta também dados relativos aos prejuízos causados pela burocracia. Segundo Any Ortiz, a cifra chega a R$ 46 bilhões por ano, valor correspondente a 1,5% do PIB nacional. “Esse número não impressiona se considerarmos que um empreendedor leva meses para abrir uma empresa no Brasil, enquanto em alguns países o tempo máximo é de 48 horas. É uma rotina de desperdício de tempo e dinheiro a que submetemos as pessoas que geram riqueza e empregos no País”, pondera, defendendo que medidas de austeridade devam ser acompanhadas por programas de desburocratização.

Audiências públicas
Ao todo, a Comissão Especial de Revisão Legal realizou 22 audiências públicas nas principais cidades do Estado, reunindo representantes de entidades da sociedade civil e de setores produtivos. “A Comissão realizou uma verdadeira peregrinação pelo Rio Grande recolhendo sugestões e acolhendo as queixas da sociedade em relação a um arcabouço legal extenso, composto por normas muitas vezes sobrepostas ou inócuas”, afirmou o vice-presidente da Comissão, deputado Lucas Redecrer (PSDB), coordenador da reunião que aprovou o relatório.

Representantes das entidades que participaram das audiências públicas sugeriram a revogação de cinco leis estaduais, como o piso regional, a lei seca nos estádios e a que trata do fracionamento de carnes temperadas, além de leis consideradas sem validade ou eficácia. Propuseram também a consolidação de leis de incentivo às microempresas, do Calendário Oficial do Estado, da legislação sanitária e da legislação urbanística e ambiental. Além disso, querem a revisão da Lei 10.116/2004, que trata do desenvolvimento urbano, do Código do Meio Ambiente, da Lei de Incentivo à Cultura, da legislação tributária estadual, da lei que regra o pagamento de Requisições de Pequenos Valores (RPVs) e das normas legais de utilização e comercialização das faixas de domínio.

Participaram da reunião os deputados Eduardo Loureiro (PDT), Sérgio Turra (PP), Sérgio Peres (PRB), Missionário Volnei (PR), Tiago Simon (PMDB) e Maurício Dziedricki (PT), além da relatora e do vice-presidente da Comissão.

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Comissão Especial de Revisão Legal

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30