GRANDE EXPEDIENTE
Lucas Redecker trata da extensão da Rodovia do Parque até Portão no Grande Expediente
Francis Maia - MTE 5130 | Agência de Notícias - 15:59 - 08/02/2018 - Edição: Celso Bender - MTE 5771 - Foto: Marcelo Bertani
Deputado Lucas Redecker, do PSDB
Deputado Lucas Redecker, do PSDB

A extensão da BR-448, a Rodovia do Parque, de Sapucaia do Sul até Portão, foi o tema abordado nesta quinta-feira (8) pelo deputado Lucas Redecker (PSDB), durante o Grande Expediente. Ele anunciou mobilização em Brasília, até o final de fevereiro, da frente parlamentar que trata deste assunto, com o objetivo de assegurar recursos para a obra.

Segundo Redecker, a falta de infraestrutura tem um alto custo para o país, que reflete nos estados e municípios, e repercute na logística para o transporte da produção nacional. “Não só a BR-448, mas outras rodovias estaduais, que aguardam acesso asfáltico, e federais, como a duplicação da BR-116 até Pelotas, na Região Sul do Estado”, apontou. Ao abordar o assunto, referiu que a rodovia completa cinco anos no final de 2018, período em que cumpriu o papel de desafogar o fluxo de trânsito da Região Metropolitana ao Vale do Sinos e outras regiões. São 40 mil veículos que trafegam diariamente pelo trecho rodoviário.

Mas o parlamentar ponderou que os congestionamentos anteriores à 448 se deslocaram agora para a ponte do Rio do Sinos, em São Leopoldo, nas duas direções do fluxo de trânsito, o que justifica a extensão da rodovia até Portão. “Sanaríamos esse problema, teríamos o fluxo da região Norte, Serra, Vale do Caí, Taquari, Paranhana, com fluxo mais rápido e tranquilo, reduzindo o custo do Rio Grande do Sul”, destacou. Os aglomerados de veículos são registrados também na área do bairro Roselândia, que aguarda uma reformulação viária, disse ele.

Recursos para o estudo ambiental
Da tribuna, mostrou a repercussão da 448 na redução do fluxo de veículos na BR-116, em torno de 40%, mas a escassez orçamentária, confirmada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura, DNIT, ameaça as necessárias obras de manutenção tanto da BR-116 quanto a BR-448. “Fomos buscar informação e, segundo o DNIT, não há previsão orçamentária”, relatou Lucas Redecker, comentando a manifestação pública do órgão federal a respeito da rápida deterioração da pista da 448 em apenas cinco anos. As empresas responsáveis pela obra deveriam oferecer garantia de longo prazo, defende o DNIT. Conforme Redecker, a frente parlamentar está organizando para a segunda quinzena de fevereiro audiência com o ministro dos Transportes, em Brasília, para tratar da BR-448 e tentar recursos para viabilizar a obra. Ele mostrou jornal que publicou na capa a situação precária da rodovia.

Uma das demandas da frente parlamentar, referiu o deputado, foi solicitar aos deputados federais emenda de bancada para viabilizar recursos aos estudos de viabilidade ambiental e técnica, mas a iniciativa foi frustrada. O estudo de impacto ambiental exige R$ 20 milhões. “É o valor inicial que precisamos para a extensão”, afirmou. O restante da obra de extensão, com previsão de três anos, necessitaria de garantia orçamentária de R$ 1 bilhão. Explicou que “esta obra estará caracterizada em apenas um lote, este é um dos pontos fortes, a garantia de que com recursos teremos começo, meio e fim da obra”, assegurou, sem interrupções como acontece quando a obra é dividida em vários lotes, como acontece na duplicação da BR-116.

Redecker ponderou que os atrasos na área de infraestrutura são provocados pela burocracia. "A obra geralmente é inaugurada com 20 anos de atraso e não é questão de governo, mas da burocracia”. Segundo o deputado, outras obras de infraestrutura deveriam estar sendo discutidas, como outro aeroporto para a região metropolitana e a duplicação das BRs-116 e 290, “para dar competitividade a quem produz”. Mas apesar do forte impacto tributário sobre o setor produtivo, as dificuldades burocráticas e o custo logístico. "Mesmo assim ainda conseguimos nos tornar competitivos e exportando, como é o caso do setor coureiro calçadista”, apontou. A redução do custo logístico, defendeu, refletiria imediatamente no desenvolvimento.

Abordou, ainda, as audiências públicas promovidas pela Agência Nacional de Transporte Terrestre, ANTT, a respeito das novas praças de pedágio, assunto que a Assembleia pressionou e resultou na exigência de um novo modelo para fazer a composição entre a estrutura rodoviária e a situação financeira compatível com a situação dos gaúchos.

Apartes
Do plenário, manifestaram-se em apartes os deputados Marcel van Hatten (PP); Catarina Paladini (PSB); Gilmar Sossella (PDT); e Juvir Costella (PMDB).

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Grande Expediente

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30