PROPOSIÇÕES
PL prevê que setor público não contrate empresas com diferença salarial de gênero
Celso Luiz Bender - MTE 5771 | Agência de Notícias - 15:00 - 02/03/2018 - Edição: Letícia Mallmann - MTE 11897 - Foto: Marcelo Bertani
Deputada Manuela d  Ávila
Deputada Manuela d Ávila
Tramita no Parlamento gaúcho, o projeto de Lei  7 2018, de iniciativa da deputada Manuela d Ávila (PCdoB), propondo que seja vedada, por parte dos poderes e órgãos do Estado do Rio Grande do Sul, a contratação de empresas e consórcios que não cumpram a igualdade salarial entre homens e mulheres.
 
Conforme a parlamentar, o PL tem por objetivo contribuir com o combate à desigualdade de gênero. Na justificativa, a deputada observa que o art. 5°, caput e inciso I, da Constituição Federal determinam, respectivamente, que “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza (...)” e que “homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações (...)”. Tais dispositivos, acrescenta, “assim como o contido no §5° do art. 226, o qual prevê que os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela mulher, não deixam dúvidas quanto à relevância que a Constituição confere ao princípio da igualdade entre os gêneros”.
 
Reforça ainda que a paridade de direitos entre homens e mulheres está disposta, igualmente, no art. 461 da Consolidação das Leis do Trabalho, que inclusive prevê com destaque a proibição de diferença salarial em razão do sexo. “Todavia, ainda que diversos dispositivos legais determinem a tão almejada igualdade de salários entre os gêneros, é de amplo conhecimento que esta não é a realidade da nossa sociedade”, lamentou. 
 
Segundo pesquisa salarial realizada pela Catho, em 2017, citada pela parlamentar na justificativa, que avaliou oito funções, de estagiários a gerentes, as mulheres ganham menos que os homens em todos os cargos. A maior diferença é no cargo de consultor, no qual os homens ganham 62,5% a mais do que as mulheres. Para cargos operacionais, a diferença entre os salários chega a 58%, e para especialista graduado é de 51,4%. Completam o ranking os cargos de especialista técnico (47,3%), coordenação, gerência e diretoria (46,7%), supervisor e encarregado (28,1%), analista (20,4%), trainee e estagiário (16,4%) e assistente e auxiliar (9%).
 
“Esta discrepância entre os gêneros também pode ser observada na análise da renda da população”, agregou. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a renda média nacional do brasileiro é de R$ 2.043,00, mas os homens continuam recebendo mais. Enquanto eles ganham, em média, R$ 2.251,00, as mulheres recebem R$ 1.762,00, totalizando uma diferença de R$ 489; e a situação fica ainda mais desigual conforme a região ou estado do país, podendo chegar a uma diferença de quase mil reais.
 
“Assim, entendemos ser necessário estabelecer uma penalidade às empresas que descumprem este princípio e criar um sistema de fiscalização. Desta forma, a proposição procura combater as inaceitáveis diferenças salariais entre homens e mulheres que ocupam o mesmo cargo ou função, fato este amplamente documentado pelos institutos de estatística brasileiros”, considerou a proponente.
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Sessão Plenária

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30