ARTIGO
Solução passa pelo diálogo e boa vontade dos envolvidos
*Juliano Roso | PC do B - 11:47 - 28/02/2018

Estamos presenciando um verdadeiro crime ambiental na barragem do Capinguí. O volume de água tem baixado em proporções consideráveis em plena piracema. Além disso, o entorno do lago sente os efeitos da  ocupação das embarcações e de outras ações humanas que poluem e degradam o ecossistema.

A situação tem gerado preocupação à comunidade regional. Frente a este problema, sugeri promover uma Audiência Pública, por meio da Comissão de Assuntos Municipais da Assembleia Legislativa.

Precisamos reunir todos os envolvidos, em um grande debate, para buscar um entendimento e adotar ações capazes de mudar o cenário que estamos presenciando.  Ministério Público e diferentes forças políticas e da sociedade civil estão mobilizadas para isso.

A barragem do Capinguí tem uma importância histórica para a região. Foi construída em duas fases. Na primeira, entrou em operação em 1933. A segunda, contou com a ampliação  em 1956. Hoje a usina trabalha em três unidades geradoras com reservatórios em cascata.

Além de gerar energia, o lago é procurado por aqueles que buscam espaço para viver em meio a natureza. Porém, neste verão, o cenário choca aqueles que se deparam com o nível cada dia mais baixo das águas da represa.

A situação vinha chamando atenção faz anos. Desde 2014, é acompanhada pelo Ministério Público, por meio da abertura de um inquérito civil. Neste período, a situação evoluiu pouco. Os próprios moradores contrataram um estudo técnico para verificar o que provoca a redução do volume de água do reservatório e a consequente mortandade de peixes. O projeto foi encaminhado pelo MP para a FEPAM e ainda aguarda avaliação.

Um dos apontamentos, presentes no documento, mostra que o modo de operação da CEEE pode ser responsável pelo problema. O controle das comportas feito por satélite pode estar provocando o desperdício de água já que mantém o reservatório entre os níveis operacionais médios e máximos de forma contínua.

Se houvesse vazão mínima da represa durante períodos de chuvas, o reservatório poderia manter um nível elevado com o funcionamento normal de geração elétrica. Diversas pessoas que conhecem o local e defendem a preservação da barragem fazem esse apontamento e consideram fundamental controlar as comportas com maior ou menor abertura conforme o comportamento do tempo.

O jornalista, historiador e, meu amigo, Tau Golin, comenta que um dos meios capazes de preservar a barragem compete ao responsável que executa a operação da Usina. Isso começa com atenção à previsão do tempo. Os itens foram elencados por ele no seu perfil pessoal no Facebook. Hoje a água passa em excesso pela usina, fica sem utilização e é colocada fora. A falta de racionalização do sistema causa prejuízos para a própria CEEE.

Não podemos ficar calados diante desta situação. Por isso, vou debater esses pontos com a FEPAM. Estou buscando uma audiência até o fim desta semana. Precisamos fazer um esforço coletivo para reverter esse quadro e preservar a Barragem do Capinguí.

*Deputado Estadual e vice-presidente da Assembleia Legislativa

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30