TROFÉU MULHER CIDADÃ
Em sessão solene, Assembleia Legislativa presta homenagem às mulheres
Olga Arnt* - MTE 14323 | Agência de Notícias - 17:30 - 07/03/2018 - Edição: Sheyla Scardoelli - MTE 6727 - Foto: Guerreiro

A Assembleia Legislativa realizou na tarde desta quarta-feira (7) Sessão Solene em Homenagem ao Dia Internacional da Mulher (8 de março) e a entrega do Troféu Mulher Cidadã 2018, conferido a personalidades femininas que se destacaram em diversas áreas de atuação no Rio Grande do Sul. Lideranças de quase todas as bancadas que integram o Parlamento gaúcho se manifestaram, ressaltando a importância da data e estimulando a luta das mulheres por mais avanços.

Primeira a subir a tribuna, a deputada Stela Farias (PT), que também presidiu a sessão, falou sobre o impacto da reforma trabalhista no cotidiano das mulheres. Segundo ela, a mudança na legislação impôs perdas e retrocessos para todos os trabalhadores brasileiros, mas exige ainda mais sacrifícios das trabalhadoras. “São enormes os retrocessos ocorridos a partir do golpe que afastou a primeira presidenta eleita no Brasil. A ruptura institucional acabou com mais de 100 artigos da Consolidação das Leis Trabalhistas, prejudicando com mais força as trabalhadoras”, declarou.

As medidas estabelecidas pela reforma trabalhista e as alterações na legislação que rege as terceirizações, segundo a parlamentar, trouxeram enormes retrocessos para a população com o propósito de atender aos interesses de grandes grupos econômicos. A redução dos salários, produzida pelo regime de trabalho intermitente, o aumento da jornada e a divisão das férias, em sua opinião, dificultarão ainda a vida da mulher trabalhadora. “Ao dividir as férias, o governo não levou em conta que muitas de nós compatibilizamos este período com as férias escolares”, exemplificou.

Representando a bancada do PMDB, o deputado Edson Brum prestou uma homenagem póstuma a Suely Oliveira, primeira mulher eleita para ocupar uma cadeira no Parlamento gaúcho em 1951. “Com a lembrança desta conquista, fica flagrante que, apesar de todos os avanços, ainda é grande a desigualdade na representação. Ainda são poucos os rostos femininos neste Plenário. E só em 2016 tivemos a primeira presidente nesta Casa”, frisou.

Para ele, é lamentável que, enquanto grandes nações são comandadas por mulheres, o Brasil ainda precisa lançar mão de expedientes como as cotas partidárias para assegurar a presença feminina nas listas partidárias. Brum ressaltou ainda que a “batalha pela igualdade” é travada nos pequenos atos do dia a dia e na busca pela paridade de oportunidades em todos os espaços.

Primeira mulher a ocupar a presidência do Parlamento gaúcho, a deputada Silvana Covatti (PP) afirmou que o Dia Internacional da Mulher é um momento de reconhecimento da luta diária das mulheres, mas também de buscar novos avanços. “Temos muito que avançar. Noto a evolução nas jovens líderes políticas e empresariais. Mas muitas de nós ainda não somos valorizadas como deveríamos. Temos o dever de mudar isso e de impulsionar novos avanços”, salientou.

Silvana disse também que é preciso promover discussões sobre a ocupação dos espaços públicos e privados pelas mulheres. “Por uma questão de justiça e competência, temos o direito de ocupar estes espaços e o dever de buscar mais”, apontou.

A trabalhista Juliana Brizola (PDT) afirmou que, em tempos de grupos políticos que disseminam o ódio, as mulheres são alvos fáceis e por isso devem aprofundar o debate sobre o machismo e suas consequências. Criticou também os governos por retirar direitos, fechar escolas e creches e conclamou as mulheres a lutar contra a violência de gênero, a cultura do estupro, o machismo velado e por respeito, oportunidades iguais e acesso à educação. Autora de diversos projetos de lei que incentivam a amamentação e ampliam os direitos das mães trabalhadoras, a deputada do PDT encerrou seu discurso com críticas a colegas parlamentares. “É lamentável que estas propostas há mais de dois anos aguardem por parecer nas comissões que deveriam ser feitos por deputados homens".

Em nome da bancada do PTB, o deputado Maurício Dziedrick destacou a beleza do plenário, com flores, neste dia de homenagens às mulheres no Parlamento. “O perfume destas flores reconhece a grandeza de todas as mulheres gaúchas, homenageadas nesta Casa, ou não. Destaco a força e o empreendedorismo das mulheres rio-grandenses e, dirigindo-me às laureadas, cito que, por certo, passaram por muitas provações até atingirem o reconhecimento social e a busca do respeito, numa sociedade extremamente machista. Atuam em suas casas, junto às suas famílias, e ainda têm tempo às atividades nas quais são reconhecidas com esta premiação”, apontou.

Reiterou tratar-se de um dia especial, de homenagens, “claro, mas igualmente de enaltecermos àquelas mulheres que se destacaram na história gaúcha, na qual foram e são paradigmas. Em especial, cumprimentou e parabenizou Mirna Teresinha Kinsel Braucks, presidente da Associação Hospitalar Beneficente Santo Antônio, do município de Tenente Portela, “alguém que emana carinho e atenção ao próximo”.

Zilá Breitenbach (PSDB) iniciou parabenizando as agraciadas, cumprimentando, igualmente, sues familiares. Também destacou o trabalho de Mirna Teresinha Kinsel Braucks junto ao Hospitalar Beneficente Santo Antônio. “Superação, vontade, liderança, persistência e atitude. É sobre isso que se apegam as nossas homenageadas e tantas outras mulheres espalhadas pelo RS desde a hora que acordam até o anoitecer, cuidando das suas famílias e encontrando tempo para ações em favor do próximo”, destacou.

Para ela, o papel da mulher no mundo de hoje é de conquista de novos espaços, “em uma caminhada que avança aos poucos, mas de forma continuada. A cada dia, mais uma prova uma superação, de vontade”, frisou. Conforme Zilá, há muito trabalho, por exemplo, na busca de mais espaço na política, bem como no combate à violência contra a mulher, com números que ainda causam perplexidade.

A deputada Liziane Bayer (PSB) saudou a presença não só das homenageadas, bem como a presença de todas as mulheres, que ocupavam as galerias e a própria Mesa. “É uma alegria presenciar nosso plenário assim, uma vez que, normalmente, é o contrário, com a maioria masculina. Desta forma, a presença deste grande número de mulheres agrada ao nosso coração”, sublinhou.

Hoje é dia de “lembrarmos as lutas e os caminhos a percorrer, mas também é dia de festa, de homenagens, de comemorações. É dia, sim, de enaltecer a mulher do Rio Grande do Sul, de lembrar as grandes figuras femininas de destaque na história do Estado, com papéis de relevância, de narrar a bravura da mulher gaúcha”, considerou. A deputada Liziane voltou a dizer da felicidade da Casa legislativa em receber estas sete mulheres rio-grandenses, “cada uma com sua história, com sua atuação, recebedoras deste reconhecimento. Vocês são vitoriosas e nós, gaúchas e gaúchos, prosseguiremos depositando confiança nas suas atitudes e trabalho em favor dos gaúchos”.

Manuela d Ávila (PCdoB), à frente da Procuradoria Especial da Mulher da ALRS, observou que o mês de março chama à reflexão para a luta na busca da equidade entre homens e mulheres. “Infelizmente, vivemos dias onde parece ser errado termos que lembrar que homens e mulheres não têm igualdade. Isso já deveria estar superado, mas não está”, apontou, citando que no Brasil metade das mulheres que saem do trabalho para dar à luz não retornam aos seus postos de trabalho.

Igualmente citou que no RS, em 2017, aconteceu a maior retração do espaço de trabalho destinado às mulheres nos últimos 26 anos. “Também é difícil de conviver com o número que mostra que as mulheres chegam a receber 80% a menos que os homens; ou que a cada dois segundos, neste país, uma mulher é assediada, e muito especialmente dentro do ambiente doméstico; dois terços dos crimes contra a mulher acontecem dentro de casa. O resumo: machismo”, frisou.

Any Ortiz (PPS) iniciou dizendo sentir-se honrada em participar de uma sessão presidida por uma mulher, a deputada Stela Farias, e parabenizou a todas homenageadas e às mulheres presentes no plenário. “Com certeza precisamos reconhecer que aconteceram avanços às mulheres, em especial em direitos e liberdades. No entanto, neste, e em cada mês de março, vemos que precisamos ir além, não parando enquanto não houver igualdades, como por exemplo nos salários. De outra parte, “40% das famílias brasileiras dependem da mulher como arrimo”, lembrou, parabenizando, na sequência, a deputada Silvana Covatti pelo fato de ter assumido, pela primeira vez em 180 anos de história do Parlamento, a presidência do Legislativo rio-grandense.

Lembrou a trajetória da sua avó, Dona Asunción, “uma mulher à frente do seu tempo, que mostrou que não deve haver diferenças nas atividades de homens e mulheres. Exemplo de luta por uma sociedade mais humana e justa. Ainda estamos em tempos sombrios, com violência desmedida contra as mulheres, mas é preciso lutar por uma igualdade possível. A vida não é um ringue e a mulher deve ter o direito de seu o que quiser”, completou.

A deputada Regina Becker Fortunatti (Rede) falou sobre a opressão causada pelo machismo, lembrando que ele não tem classe social e se alimenta da cultura perversa da sociedade. Citou o Mapa da Violência Contra a Mulher, de 2015, segundo o qual a cada 11 minutos uma mulher é estuprada, a cada seis segundo outra é vítima de assédio no transporte coletivo e a cada um segundo e meio há uma nova vítima de assédio na rua.

A parlamentar recordou que, na maioria das vezes, quando as mulheres denunciam o assédio e as agressões, são transformadas de vítimas em culpadas. “A liberdade individual serve para os homens. O que vestimos e o que sentimos pode ser usado contra nós”, frisou lembrando que, na luta pela apuração, comumente, esbarram em estruturas que minimizam a situação e sofrem ameaças.

Compuseram a Mesa Diretiva da sessão solene, presidida pela deputada Stela Farias (PT), a coordenadora das Assessorias Jurídicas da Administração Direta e Indireta da Procuradoria-Geral do Estado, Ana Cristina Brenner, representando o governador José Ivo Sartori; o juiz de Direito Corregedor, José Pedro de Oliveira Eckert; a subprocuradora-geral de Justiça de Gestão Estratégica, Ana Cristina Petrucci, representando o procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen; a representante da defensoria Púbica do RS, defensora Diana Rodrigues da Costa; e a vice-presidente do Conselho Estadual da Mulher, Walesca Vasconcellos.

Agraciadas da 21ª edição do Prêmio Mulher Cidadã

Na categoria Defesa dos Direitos da Mulher e Combate à Violência contra a Mulher, a agraciada é a bacharel em Direito e Ciências Sociais e especialista em Direitos Humanos, Lorecinda Ferreira Abrão. Ingressou na Guarda Municipal de Porto Alegre em 2002, instituição que viria a comandar em 2009, sendo a primeira mulher negra a ocupar a função. Ativista dos direitos humanos, integrou o Conselho Municipal de Assistência Social, e integra o Conselho Municipal de Direitos Humanos e o Conselho Municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiência. É voluntária, desde 2008, da ONG Angola Janga e integra a Rede Afrogaúcha de Profissionais do Direito. Premiação entregue pela deputada Liziane Bayer.

A professora universitária Nara Martini Bigolin recebeu o troféu na categoria Educação da Mulher, das mãos da deputada Manuela d Ávila. Com graduação em Computação (PUC/RS), Mestrado em Computação (UFRGS) e Doutorado em Computação na Université de Paris VI, é docente em várias universidades da França e do Brasil. Atua na área da Inteligência Artificial e Desigualdade de Gênero nas Ciências Exatas. É coordenadora do projeto Meninas Olímpicas do Brasil, cofundadora junto com duas filhas. Todos os seus projetos têm como objetivo evitar a exclusão de meninas no protagonismo nacional e melhorar a educação pública no Brasil.

Helenir Aguiar Schurer, professora e presidente do Cpers Sindicato será agraciada na categoria Promoção e Participação Política da Mulher. Formada em Letras pela Faculdade Dom Bosco, de Santa Rosa, foi vice-diretora e diretora do 23º Núcleo (Livramento), secretária de formação da CUT estadual. Está em seu segundo mandato à frente do Cpers. A luta pela defesa do ensino público de qualidade e pelos direitos da categoria distinguem sua trajetória. Entregaram o prêmio, os deputados Tarcísio Zimmermann e Edegar Pretto.

Na categoria Profissionalização e Geração de Trabalho e Renda para a Mulher, o prêmio será entregue a Ledi de Oliveira Teixeira. Formada em Ciências Políticas pela ULBRA, é diretora de Qualificação Profissional e Cidadania na FASE – Fundação de Atendimento Socioeducativo desde 2008, quando implantou diversos programas voltados à profissionalização, capacitação, saúde e lazer para os funcionários da fundação. Militante das causas femininas, é integrante da Federação das Mulheres Gaúchas desde 1998, onde busca a valorização, qualificação profissional e prevenção da violência contra a mulher. A deputada Liziane Bayer fez a entrega da distinção.

A presidente da Associação Hospitalar Beneficente Santo Antônio, do município de Tenente Portela, Mirna Teresinha Kinsel Braucks, recebeu, do deputado Aloísio Classmann (PTB), o troféu na categoria Saúde da Mulher. No dia 1º de abril do ano de 2007, Mirna assumiu a gestão da Associação Hospitalar Beneficente Santo Antônio de Tenente Portela-RS, sendo a primeira e atual Presidente Voluntaria. Sob sua gestão, transformou a instituição em um dos principais hospitais do interior do Estado, oferecendo 80% de sua capacidade instalada aos pacientes do SUS.

Na categoria Atividade Comunitária em Prol da Mulher, o prêmio será concedido à Bianca Bertolucci. Presidente da Ação da Mulher Trabalhista e primeira-dama do município de Gramado, a empresária é formada em Administração Hoteleira pela Castelli Escola Superior de Hotelaria. Como primeira-dama pautou seu trabalho pela aproximação com as comunidades e pelo combate à violência contra a mulher, destacando-se a criação do gabinete móvel, campanhas do agasalho, Natal Solidário, Oficina de Projetos Sociais nos Bairros, Centro de Referência de Atendimento à Mulher e Cartório da Mulher. Fizeram a entrega, as parlamentares Juliana Brizola e Regina Becker Fortunati.

A professora Carmen Ottoneli Maicá recebeu o Prêmio Mulher Cidadã 2018 na categoria Mulher na Cultura. Formada em Educação Física pela Unicruz, também é técnica em 3ª idade e pós graduada em Supervisão Escolar. Com destacada atuação na área cultural, foi coordenadora de Cultura da 21ª CRE e integrou o Conselho Municipal de Educação e Cultura de Três Passos e da Rota Yucumã. Trabalhou no projeto Agente Jovem de Três Passos e organizou parcerias entre as secretarias municipais de Educação e Cultura, entidades, escolas, sindicatos, 21ª CRE, 20 R.T, Lions e outras. Participou da 1ª Cavalgada Feminina e Caravana da Cultura do Rio Grande do Sul, do 1º Seminário da Cultura Gaúcha e trabalhou na área de pesquisa com a escritora Lilian Argentina “A Gaita no Sul” e causos. A deputada Zilá Breitenbach entregou a estatueta.

* Com Celso Bender

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Sessão Solene

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30