SESSÃO PLENÁRIA
Plenário da Assembleia Legislativa aprova nove projetos
Letícia Rodrigues - MTE 9373 | Agência de Notícias - 21:30 - 03/04/2018 - Edição: Sheyla Scardoelli - MTE 6727 - Foto: Vinicius Reis
A reestruturação do quadro de funcionários técnico-científicos do Estado e  o aumento do percentual da gratificação de risco de vida para servidores do Instituto-Geral de Perícias foram dois dos nove projetos aprovados na sessão plenária desta terça-feira (3). Outras três matérias que trancavam a pauta tiveram o regime de urgência retirado pelo governo e seguem, agora, a tramitação normal dentro da Casa.

Técnico-científicos
O primeiro projeto aprovado foi o PL 31 2018, que reestrutura e renomeia o Quadro dos Funcionários Técnico-Científicos do Estado, criado pela Lei n.º 8.186, de 17 de outubro de 1986, reorganizado pela Lei n.º 14.224, de 10 de abril de 2013. O quadro passa a ser denominado Quadro dos Analistas de Projetos e de Políticas Públicas. A matéria recebeu 46 votos favoráveis e quatro contrários e foi aprovada com uma emenda do líder do governo, deputado Gabriel Souza (PMDB).

Deputados da base aliada e da oposição manifestaram-se na tribuna sobre a proposta. A deputada Stela Farias (PT), que foi secretária da Administração no governo Tarso Genro, lembrou que, na época, o quadro dos técnico-científicos foi reestruturado e os servidores receberam reajustes acima da inflação. Também disse que promoções foram regulamentadas e criadas gratificações para o quadro.

O deputado Pedro Ruas (PSOL) reclamou da tática maléfica do governo de mandar projetos para a Casa sem que ele seja devidamente discutido. "Não vou votar favorável a este projeto. Eu não caio em jogo do governo. Primeiro, o projeto não foi discutido e não tem o menor sentido. Segundo, a emenda parece que diminui os efeitos deletérios do projeto. A emenda merece nosso apoio e nosso voto, mas o projeto não", declarou.

A deputada Juliana Brizola (PDT) disse que uma das características do governo Sartori é não dialogar. "Infelizmente, corriqueiramente, neste governo não há o debate, querem ultrapassar as barreiras das comissões, não admitem que se faça uma audiência pública sobre o tema, ou seja, querem governar com meia dúzia", definiu. Ela apelou para a base aliada ir até a tribuna para explicar o projeto.

O deputado Edu Olivera (PSD), que foi secretário da Administração no começo do governo Sartori, disse que a proposta foi construída junto com servidores. "Não há nada de escuso nesse projeto. Esses servidores não fazem jus à nomenclatura de técnicos. Eles não são técnicos, são profissionais de nível superior e precisam ser reconhecidos dessa forma", explicou.

Além desse projeto, o plenário aprovou, por unanimidade, o PL 30 2018, do Poder Executivo, que extingue e transforma categorias funcionais do Quadro dos Funcionários Técnico-Científicos do Estado, criado pela Lei nº 8.186, de 17 de outubro de 1986, e cria cargos no Quadro Geral dos Funcionários Públicos do Estado, de que trata a Lei nº 4.914, de 31 de dezembro de 1964.

IGP
Os parlamentares aprovaram ainda, por unanimidade, o PL 47 2018, do Poder Executivo, que altera o percentual da Gratificação de Risco de Vida, criada pelo art. 7º da Lei nº 13.483, de 1º de julho de 2010. Pela proposta, o percentual sobe de 80% para 148% incidente sobre o vencimento básico dos servidores.

Os deputados Pedro Ruas (PSOL), Sergio Peres (PRB), Edu Olivera (PSD) e Juvir Costella (PMDB) foram à tribuna defender a aprovação da proposta. Eles ainda destacaram a importância do trabalho realizado pelo IGP.

Licença à adotante
Por unanimidade também foi aprovado o PLC 28 2018, do Poder Executivo, que altera a Lei Complementar n° 10.098, de 3 de fevereiro de 1994, que dispõe sobre o Estatuto e Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Civis do Estado do Rio Grande do Sul e a Lei Complementar nº 10.990, de 18 de agosto de 1997, que dispõe sobre o Estatuto dos Militares Estaduais. O objetivo é estipular em 180 dias o prazo para a licença à servidora adotante. Atualmente, o prazo varia de 90 a 180 dias dependendo da idade da criança ou adolescente adotados.

A matéria foi aprovada com uma emenda, proposta por Gabriel Souza (PMDB). Na tribuna, a deputada Manuela d Ávila (PCdoB) parabenizou o governo pela apresentação da proposta e também o líder do governo por acolher três sugestões de seu mandato: a licença-maternidade ou adotante passa a contar apenas depois da alta da UTI no caso de bebês prematuros; o tempo da licença-paternidade para nascimento ou adoção passa de 15 para 30 dias; e a redução da jornada de trabalho das servidoras que amamentem durante o 7º e o 8º mês do bebê.

Os demais projetos aprovados:

  • PL 27 2018, , do Poder Executivo, que autoriza o Poder Executivo a prorrogar, por até 12 (doze) meses, parte da contratação emergencial e temporária de que trata a Lei n.º 14.269, de 18 de julho de 2013, prorrogada parcialmente pelas Leis n.º 14.831, de 4 de janeiro de 2016 e 14.995, de 3 de maio de 2017, e a contratar servidores para as funções de Técnico Rodoviário – Técnico em Segurança do Trabalho – no Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem – DAER/RS –, em caráter emergencial e por tempo determinado, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público (aprovado por unanimidade);
  • PL 26 2018, do Poder Executivo, que altera a Lei nº 14.742, de 24 de setembro de 2015, que cria o Fundo de Proteção e Amparo Social do Estado do Rio Grande do Sul – Ampara/RS -, e introduz modificação na Lei nº 8.820, de 27 de janeiro de 1989, que institui o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (aprovado por unanimidade);
  • PL 32 2018, do Poder Executivo, que introduz alterações na Lei nº 11.087, de 22 de janeiro de 1998, que autoriza o Poder Executivo a comercializar glebas de terras, com fins industriais (aprovado por unanimidade);

  • PL 247 2017, do Poder Executivo, que autoriza ao Departamento Estadual de Trânsito – Detran/RS – a gestão, coordenação, fiscalização, controle e execução dos serviços atinentes à remoção, depósito e guarda de veículos, sucatas e similares automotores de uso terrestre, altera a Lei n° 8.109, de 19 de dezembro de 1985, a Lei nº 14.787, de 07 de dezembro de 2015, e revoga a Lei nº 11.284, de 23 de dezembro de 1998. Na discussão do projeto, manifestaram-se os deputado Edu Olivera (PSD), Enio Bacci (PDT), Pedro Ruas (PSOL) e Gabriel Souza (PMDB). Aprovado, por 47 votos a 1, e com uma emenda do líder do governo;
  • PR 5 2018, da Mesa Diretora, dispõe sobre a Polícia Legislativa da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul e altera a Resolução nº 3.137 de 14 de julho de 2015 (aprovado por unanimidade).

Retirada da Ordem do Dia
Três projetos que trancava a pauta foram retirados da Ordem do Dia depois que o governador José Ivo Sartori solicitou a retirada do regime de urgência das matérias. Um é o PLC 29 2018, do Poder Executivo, que altera a Lei Complementar n° 10.098, de 3 de fevereiro de 1994, que dispõe sobre o Estatuto e Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Civis do Estado do Rio Grande do Sul e a Lei Complementar nº 11.487, de 13 de junho de 2000, que dispõe sobre o assédio sexual no âmbito da administração pública estadual; e outro é PLC 36 2018, do Poder Executivo, que dispõe sobre a promoção extraordinária dos cargos efetivos da Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul.

O terceiro é o PL 320 2017, do Poder Executivo, que dispõe sobre a defesa do gestor pela Procuradoria-Geral do Estado e regulamenta o disposto no § 19 do art. 85 da Lei Federal nº 13.105/201. A matéria, que foi bastante discutida em plenário, estabelece, entre outras coisas, que os procuradores do Estado receberão honorários de sucumbência nas ações do Estado.

O deputado Edson Brum (PMDB) registrou, na tribuna, seu voto contrário ao projeto. Lembrou que, em 2007, os procuradores do Estado foram incluídos no projeto que instituiu o subsídio para eles e outras categorias e que o salário médio da categoria é de R$ 26 mil.  

Também o deputado Pedro Ruas (PSOL) criticou a proposição. "Não é admissível que procuradores do Estado com média salário de R$ 26 mil recebam ainda honorários de sucumbência", declarou. O deputado Tiago Simon (PMDB) salientou que apreciação do projeto não era oportuna. Destacou, porém, o destacado trabalho que a PGE realiza.

Ainda a deputada Zilá Breitenbach (PSDB) manifestou contrariedade à aprovação do projeto. Disse que a PGE faz um trabalho brilhante, mas que, no momento que o Executivo não consegue repor o salário nem pagá-lo em dia, não é possível privilegiar uma determinada categoria. O deputado Gilmar Sossella (PDT) salientou que a emenda apresentada ao projeto estabelece que a defesa do chefe do Legislativo continue a ser feita pelo procurador da Casa e não pela PGE. Solicitou que o governo retirasse o regime de urgência da matéria. 

Os deputados João Fischer (PP), Regina Becker Fortunati (Rede), Aloísio Classmann (PTB), Sergio Peres (PRB), Manuel d Ávila (PCdoB), Gilmar Sossella (PDT), Elton Weber (PSB) e Lucas Redecker (PSDB) apelaram ao governo que o regime de urgência fosse retirado.

Após a solicitação, o líder do governo, Gabriel Souza (PMDB), foi à tribuna para dizer que há uma legislação federal que rege a possibilidade de pagamento dos honorários advocatícios para os advogados do setor público e que a matéria já foi regulamentada em vários estados. "Ninguém aqui está dizendo que meritoriamente a PGE não tem o direito jurídico de receber esses proventos. Isso não foi legislado aqui, mas no Congresso Nacional", explicou. Os líderes políticos, segundo ele, disseram que agora não é o momento para apreciar a matéria, mas que ela será votada em outro momento. Registrou que a PGE tem conquistado significativas vitórias para o Estado. "É por isso, que, atendendo ao apelo de diversas bancadas, se está retirando o regime de urgência", anunciou.

O deputado Pedro Pereira (PSDB) discordou do líder do governo. Conforme ele, o projeto deveria ser votado e derrotado em plenário, já que, com a retirada do 62, ele deve voltar a ser apreciado em outro momento. "É uma vergonha o Estado estar cedendo à pressão da PGE", declarou.

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Sessão Plenária

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30