COMISSÃO DE EDUCAÇÃO
Desmonte da educação de jovens e adultos é discutido em audiência pública na AL
Letícia Rodrigues - MTE 9373 | Agência de Notícias - 10:33 - 12/04/2018 - Foto: Marcelo Bertani
Debate foi coordenado pela deputada Stela Farias.
Debate foi coordenado pela deputada Stela Farias.
Educadores, alunos, representantes dos conselhos estadual e municipal de Educação e de entidades lotaram o Plenarinho da Assembleia Legislativa, na noite de quarta-feira (11), para discutir o Programa Nacional Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja). A audiência pública, realizada pela Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, foi proposta e coordenada pela deputada Stela Farias (PT), que preside a Frente Parlamentar em Defesa da Educação de Jovens e Adultos.
 
Como encaminhamentos do encontro, será sugerida e articulada a criação de uma frente parlamentar no Congresso Nacional e também será levada à Conferência Nacional Popular de Educação (Conape) uma carta de repúdio, assinada pelo Fórum de Educação de Jovens e Adultos do RS e outras entidades, sobre o fechamento de turmas de Educação de Jovens, Adultos e Idosos (EJA) realizados pelas secretarias de Educação do Estado e de Porto Alegre. O encontro ocorre em maio, em Belo Horizonte. 
 
Ao começar a audiência, Stela Farias explicou que o debate foi motivado pelos cortes de recursos orçamentários e extinção de vagas no ensino de jovens e adultos que vêm sendo promovidos pelo governo federal. Lembrou que a Frente Parlamentar em Defesa da Educação de Jovens e Adultos, instalada no fim de setembro do ano passado, já promoveu nove audiências públicas no RS, principalmente em escolas e institutos federais de educação, e que busca articular e estimular a criação de frentes parlamentares sobre o tema nas câmaras de vereadores e também melhorar a intersecção entre os atores que lidam com o tema. 
 
A carta que será levada ao Conape foi lida, durante a audiência, pela professora Jaqueline Cunha, representando o Fórum de Educação de Jovens e Adultos do RS. Além do repúdio ao fechamento de turmas do EJA no RS e no município de Porto Alegre, o documento repudia o projeto do Ministério de Educação de congelar, por 20 anos, o investimento na educação, por meio da Emenda Constitucional 95, e pede que tanto a Comissão de Educação da AL quanto a Frente Parlamentar presidida por Stela Farias façam o monitoramento das intenções e movimentos do governo federal em relação aos Institutos Federais, especialmente ao Proeja. Jaqueline reiterou que várias denúncias sobre o fechamento de turmas em escolas estaduais e municipais são recebidas pelo Fórum e que há a ameça do EJA acabar, já que o governo federal quer que a modalidade seja totalmente à distância (EAD). "Há um desmonte planejado e precisamos nos organizar para fazer alguma coisa", apelou.
 
O professor Antônio Brod, representando a Reitoria do Instituto Federal Sul-rio-grandense, (IFSul) fez um resgate histórico da criação dos institutos federais, que serviriam para criar oportunidades de educação em lugares onde as universidade públicas não chegavam e também viabilizar que as pessoas pudessem dar continuidade aos seus estudos. Informou que, em 2005, o IFSul possuía apenas uma unidade com quatro mil alunos e que, atualmente, são 14 unidades e 17 mil estudantes. No RS, os institutos federais possuem 42 campus e mais de 50 mil alunos. "Sem educação, não tem solução. É a educação o vetor real que modifica a sociedade", defendeu.
 
A professora Jaqueline Moll, representando o Conselho Estadual de Educação, fez um apanhado histórico do sistema público de educação no Brasil e destacou que há, no mínimo, um milhão de pessoas analfabetas no país e que isso não é enfrentado pelos governos. Informou que o Conselho aprovou recentemente a Resolução 343, que consolida normas relativas ao EJA e lamentou que a única matrícula que cresce no RS nessa modalidade é a privada via EAD. "Não vamos resolver o fracasso das crianças na escola se não colocarmos os adultos nesse circuito", explicou.
 
A professora Jônia Seminotti, representando o Conselho Municipal de Educação, informou que o órgão já emitiu vários pareceres em relação ao fechamento de turmas, mas que nem sempre é dada a devida atenção a esses apontamentos. Disse que o Conselho pretende acionar o Ministério Público sobre a questão. Citou como exemplo a Resolução 17, que indica que o fechamento de escolas não deve ser feito sem consulta à comunidade escolar e sem que os alunos sejam realocados, o que não vem sendo observado pelo governo.
 
Também participaram representantes do gabinete da deputada federal Maria do Rosário (PT/RS), da União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação, da UEE Livre e de Institutos Federais do RS, entre outras entidades.
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Comissão de Educação

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30