SESSÃO SOLENE
Assembleia Legislativa homenageia Dia Internacional dos Trabalhadores
Celso Luiz Bender* - MTE 5771 | Agência de Notícias - 16:10 - 25/04/2018 - Foto: Marcelo Bertani
Vice-presidente da AL, deputado Nelsinho Metalúrgico, conduziu a sessão
Vice-presidente da AL, deputado Nelsinho Metalúrgico, conduziu a sessão
Parlamentares representantes dos partidos políticos com assento no Legislativo rio-grandense alternaram-se na tribuna, na tarde desta quarta-feira (25), durante a Sessão Solene em homenagem ao Dia Internacional dos Trabalhadores, a ser comemorado na próxima terça-feira, 1º de maio. A sessão foi conduzida pelo 2º vice-presidente da Assembleia Legislativa, deputado Nelsinho Metalúrgico (PT), que também foi o primeiro parlamentar a ocupar a tribuna.
 
O deputado Nelsinho Metalúrgico, representando a bancada do PT, iniciou seu pronunciamento recordando que o 1º de maio é uma data histórica, celebrada em todo o mundo, e que marca a luta e as conquistas da classe trabalhadora por direitos e por melhores condições de trabalho. “Infelizmente, o momento não é de celebração. Este é um 1º de maio de tristeza”, frisou. Conforme destacou, o “maior representante da classe operária do país, o líder maior da Nação, o torneiro mecânico e ex-presidente, Luís Inácio Lula da Silva, é, hoje, um preso político”. Para ele, a prisão “sem provas de Lula tem um único objetivo: calar o desejo da maioria da população brasileira, e impedi-lo de voltar à presidência da República”. Segundo o parlamentar, a população brasileira não aguenta mais os efeitos do golpe de 2016. “Desde então, foram imensos os retrocessos sociais e políticos que afetam diretamente o trabalhador brasileiro. O ajuste fiscal em curso contrai o crescimento, restringe a receita, gera desemprego e acelerada rapidamente a ampliação da pobreza”, assinalou. Por outro lado, “o golpe em curso foi generoso às camadas mais abastadas. A minoria super-rica, formada por apenas 10% dos brasileiros, concentra mais de 43% da renda total do país. Já para os 10% mais pobres, sobram apenas 0,7% da renda total”. Como forma de mobilizar os trabalhadores para reverter este quadro, anunciou que as centrais sindicais e organizações classistas de todo o Brasil estão convocando grande ato político unitário neste 1º de maio em Curitiba, “na defesa dos direitos, pela democracia e pela libertação do preso político Lula”.
 
Juvir Costella, pelo PMDB, destacou que o Dia dos Trabalhadores representa muito “para todos nós gaúchos, um povo que foi forjado pela vontade de crescer, e pela labuta do dia a dia”. Conforme ele, “não conheci uma pessoa sequer, até hoje, que não tenha alicerçado suas conquistas no trabalho. No suor do cotidiano. Assim, homenagear o trabalhador é valorizar o que de mais sincero e honesto existe em nossa sociedade: o desejo de buscar uma vida tranquila para os seus”, resumiu. Hoje, acrescentou, o já distante dia de 1º de maio de 1886 pode ser apenas uma lembrança. “Uma data histórica, claro, mas que para muitos pode parecer apenas memória de quem ousou para mostrar a força do trabalhador. Nas andanças pelo Rio Grande percebo que o gaúcho quer que o deixem trabalhar. Que o Estado lhe dê as condições básicas, sim, mas que garanta seu emprego, sua mesa em casa com comida para os filhos”, e para ele, o governo Sartori tem trabalhado neste sentido, um dos governos que mais buscou investimentos. Desde 2015, R$ 9,2 bilhões foram investidos na economia gaúcha, anunciou, em novas empresas, além da expansão e modernização das plantas existentes. “A estimativa é de que o RS receba mais de R$ 42 bilhões caso se concretizem os 257 projetos em andamento ou em vias de implantação. A projeção é gerar quase 25 mil empregos diretos e indiretos. No mês passado, o Estado teve o terceiro melhor resultado do país na geração de empregos, criando quase 13 mil novas vagas no período”, comemorou.
 
O PDT foi representado pelo deputado Ciro Simoni, que desejou mais empenho do Estado para “propiciar mais empregos, diminuindo a longa fila dos atuais desempregados”. O parlamentar considerou que a data determina reflexão sobre a legislação trabalhista, normas e regras do trabalho: “não podemos desconhecer a luta dos trabalhadores na reivindicação por melhores condições do trabalho”, destacando o recrudescimento do debate histórico entre capital e trabalho. A harmonização desta relação só poderá ocorrer em ambiente democrático, livre e soberano”, conforme preconizaram Getúlio Vargas, João Goulart, Brizola e os trabalhistas, assegurou. Disse, ainda, que “a justiça social plena, buscada pelo ideário trabalhista, não abre mão dos princípios da cidadania com serviços públicos condizentes com as necessidades da população, e o controle público sobre áreas da soberania nacional”. As ameaças aos direitos dos trabalhadores, promovidas pelos governos neoliberais questionados em seus atos, poderão mudar em breve e “construir cenário favorável a manutenção das conquistas trabalhistas e ampliação do estado sobre nossas riquezas”.
 
Pelo PP, João Fischer destacou que o trabalho é condição básica para o desenvolvimento humano. “Paulo VI, ainda nos anos 60, nos ensinava que O desenvolvimento é o novo nome da paz mundial . E como isso é possível? Somente com trabalho”, sintetizou o parlamentar. Conforme Fixinha, a riqueza sem trabalho é um perigo à virtude humana; quando construída sem trabalho, não é perene e não se sustenta à luz da Justiça”. Ainda segundo o deputado do PP, os esforços devem ser direcionados à geração de emprego e renda. É por meio do emprego, de uma atividade lícita e que contribua para a sociedade, “que o homem se completa e se realiza enquanto ser humano. Nosso povo não quer viver de bolsas, mas ter a garantia de que poderá, fruto de seu esforço, garantir seu sustento e daqueles que ama. Enganam-se aqueles que pensam que a virtude de um governo está na distribuição de benefícios que possam render dividendos eleitorais, quando na verdade, o legado de um governante deveria ser medido pelo esforço direcionado à geração de postos de trabalho. É pelo trabalho, pela livre iniciativa e pelo respeito às liberdades individuais que vamos alcançar o tão almejado desenvolvimento sustentável”, frisou, agradecendo aos que trabalham por um Brasil mais justo e para todos. Àqueles que fazem da política instrumento para o bem comum, e não para o bem de alguns”, sublinhou.
 
A mensagem da bancada do PSDB, feita pelo deputado Adilson Troca, relacionou o “significado simbólico da valorização do esforço coletivo de milhões de cidadãos, que contribuem com o desenvolvimento social e econômico da nação”. E destacou fatos que beneficiaram os trabalhadores na história recente do país, promovidos pelo seu partido, “como parte de seu caráter reformista, de vanguarda, organizado em torno de princípios como a defesa dos direitos civis, o enfrentamento das desigualdades sociais, o incentivo à livre iniciativa e a eficiência administrativa”. Relacionou os benefícios da estabilidade econômica, iniciada no governo Itamar Franco, com o então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, quando “a hiperinflação castigava a classe trabalhadora do nosso país, sobretudo os mais humildes”. O Plano Real derrubou a inflação, recuperou o poder de compra do trabalhador e retirou milhões de brasileiros da miséria, “estabelecemos as bases para o desenvolvimento da nação”, afirmou. “O Real representa o maior programa de transferência de renda estabelecido no Brasil nas últimas duas décadas”, incluindo ainda o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil durante o governo de Fernando Henrique. A intervenção representou também os deputados Lucas Redecker, Pedro Pereira e Zilá Breitenbach, com ênfase na crença de que “o Estado de bem-estar social só poderá ser construído sobre os fundamentos da justiça e pela excelência de gestão”.
 
Pela bancada do PSB, a deputada Liziane Bayer referiu a data tendo em vista a reforma da legislação trabalhista. Destacou o valor da data para os socialistas e defendeu “o máximo de conciliação entre o trabalhador e o empresário, como dois entes da mesma corrente”, pois “é da convergência entre direitos e deveres que surge o progresso e a paz social”. Ela considerou a importância do trabalho para o homem, que na mesma proporção depende de quem cria o emprego, pregando a negociação entre as duas partes para a solução dos problemas. As mudanças na lei trabalhista em curso trazem “incertezas a todas as partes envolvidas”, referindo a edição de medida provisória para adaptações e a edição de decreto presidencial para algumas correções necessárias, mas “o que importa é que após longas décadas de discussões alguma coisa foi feita, para alguns muita coisa, para outros nem tanto”. Referiu a atuação da Frente Parlamentar de Apoio ao Empreendedorismo Gaúcho.
 
Juliano Roso, pelo PCdoB, apresentou duas questões para reflexão nesta data. Uma é a necessidade da recuperação econômica do país, especialmente do setor industrial, que, segundo Roso, foi destruída pela crise internacional e pelo atual governo federal, "que vem liquidando a indústria brasileira e transformando o Brasil em um mero exportador de commodities". O comunista afirmou que essa é a tarefa central da política no momento e defendeu a construção de um programa nacional de desenvolvimento para a recuperação econômica, a geração de emprego e renda e a retomada do crescimento econômico e da indústria. A segunda questão diz respeito aos direitos dos trabalhadores que, conforme o deputado, foram destruídos pela chamada reforma trabalhista. "Não pode haver uma sociedade justa e séria sem que os trabalhadores tenham seus direitos garantidos, na lei e na vida", afirmou, defendendo que a reforma trabalhista passe por um referendo de revogação, para que o povo brasileiro possa ser ouvido sobre as mudanças.
 
Missionário Volnei, pelo PR, disse que a data é de extrema importância no calendário mundial, lembrando a greve que paralisou os EUA no século XIX e que deu origem à celebração. O parlamentar destacou os direitos conquistados pelos trabalhadores ao longo do tempo, ressaltando que a luta para melhorar as condições de trabalho, porém, precisa ser um esforço diário. Também defendeu investimentos na qualificação do trabalhador e na educação. Lembrou que muitos dos projetos que mexem nas relações de trabalho passam pela Assembleia gaúcha e que a Casa precisa estar sempre de portas abertas para receber essas demandas e discutir soluções. "Esse é o nosso papel", destacou.
 
* Com Francis Maia e Letícia Rodrigues
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Sessão Solene

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30