GRANDE EXPEDIENTE
Tortelli presta homenagem aos trabalhadores de Erechim pelo aniversário de 100 anos do município
Olga Arnt - MTE 14323 | Agência de Notícias - 15:54 - 26/04/2018 - Edição: Celso Bender - MTE 5771 - Foto: Marcelo Bertani

O deputado Altemir Tortelli (PT) homenageou, no Grande Expediente da sessão plenária da Assembleia Legislativa desta quinta-feira (26), os 100 anos do município de Erechim, que serão completados dia 30 de abril. Localizada no Alto Uruguai, a cidade é a segunda mais populosa do Norte do Rio Grande do Sul, com mais de 102 mil habitantes, e ocupa a 17ª posição no ranking do PIB gaúcho. “Queremos homenagear neste Grande Expediente os agricultores e os trabalhadores, que são os responsáveis pelo desenvolvimento do município, mas são sempre os últimos a serem lembrados”, afirmou o petista, na abertura de seu pronunciamento.

O parlamentar traçou um panorama da evolução do município, a partir do trabalho dos primeiros colonos que se estabeleceram em lotes de 25 hectares, formando pequenas propriedades diversificadas, que alavancaram o desenvolvimento da região. “Erechim foi projetada pelo governo de Júlio de Castilhos para a ocupação por colonos de áreas habitadas por índios e caboclos com o objetivo da produção de alimentos para a população de um Estado com a tradição da pecuária extensiva”, historiou.

Segundo Tortelli, o desenvolvimento de Erechim teve profunda relação com a ferrovia que ligou o Rio Grande do Sul a São Paulo, cortando o sertão do Alto Uruguai. A estrada de ferro partia de Itararé, em São Paulo, até Santa Maria da Boca do Monte, atravessando 2.152 quilômetros numa viagem de três dias.

A primeira leva de imigrantes estrangeiros chegou em 1912. A colônia recebeu também agricultores vindos de outras localidades do Rio Grande do Sul, como Estrela, Taquari, Montenegro, Caí, Caxias, Antônio Prado e Bento Gonçalves. “Pela ferrovia, chegaram imigrantes de 26 diferentes etnias, atraídos pelas notícias da qualidade da terra, da oferta de madeira e erva mate: italianos, poloneses, judeus, franceses, tchecos, ucranianos, austríacos, russos, suecos, romenos, lituanos, holandeses”, listou o parlamentar

A imigração, conforme ele, produziu resultados até hoje percebidos. “A imigração tem o efeito da sociabilidade. Povos com necessidade de se reunirem, falarem o idioma da terra natal e aprenderem com outras nacionalidades”, explicou.

Ciclos econômicos
Tortelli analisou, sempre do ponto de vista dos trabalhadores, os vários ciclos econômicos que marcaram o desenvolvimento do município, da extração da erva mate e da madeira no início da colonização, passando pela produção agrícola até o processo de industrialização a partir da década de 1970. O desenvolvimento, conforme o petista, foi rápido. “Em três anos já se destacava a produção de banha e a venda de madeira para o Sudeste brasileiro, para o Centro do Estado e fronteiras da Argentina e Uruguai. As terras foram valorizadas e a região do Alto Uruguai tornou-se uma das mais ricas do Rio Grande. Em 1917, a família Pagnoncelli instalou a casa de comércio Economia do Povo, seguida pela Casa Oito, da Família Müller”, revelou.

A emancipação ocorreu em 30 de abril de 1918. “Tudo aconteceu depois que o Estado extinguiu a décima primeira aula pública para o sexo masculino. A população reagiu, exigindo a emancipação”, contou

Em 1920, o município já agregava vinícolas, ervateiras, dezenas de serrarias, gasosaria, moinhos, pequenas oficinas, alfaiataria, carpintarias, curtumes, depósito de gasolina, funilarias, ferrarias, fábrica de canivetes e de chinelos, ourivesaria, padaria, tipografia, sapatarias e selarias, além de meia dúzia de hotéis.

O deputado afirmou ainda que Erechim foi o berço propulsor do cooperativismo, entre os anos 20 e 30, com as cooperativas da banha, trigo e leite. “Em 1957, foi inaugurada a Cotrel, a mais importante cooperativa gaúcha na sua época”, frisou.

Hoje, a produção industrial diversificada – alimentação, informática, metal mecânica, eletroeletrônica, calçadista, confecção, fundições, construção civil, madeireira, moveleira, equipamentos de previsão e rodoviários – é a principal atividade econômica do município. “São cerca de 700 empresas, reconhecidas localmente e com relações comerciais nacionais e internacionais”, pontuou.

Aulas em barraco
Tortelli afirmou ainda que a educação teve peso decisivo no desenvolvimento da comunidade. “No início, eram as comunidades que tratavam de instalar escolas em residências particulares e pagavam os professores. O Estado contribuía pouco. Assegurar estudo aos filhos significava a defesa de seus interesses, a comunicação e o domínio do Português”, enfatizou.

Ele lembrou a história do professor Carlos Mantovani, que chegou em 1917 e, em poucos dias, passou a ministrar aulas em um barraco. “Foi ele quem conquistou a criação de um grupo escolar e realizou campanha pela vinda dos irmãos maristas, que fundaram o Colégio Medianeira, e das irmãs franciscanas, que criaram o Colégio São José. A escola pública fundada por Mantovani deu origem às duas maiores escolas públicas de Erechim: a José Bonifácio e a Mantovani”, declarou.

O ensino superior foi, segundo Tortelli, o resultado de uma luta de décadas. Hoje, o município conta com núcleos da Universidade de Passo Fundo, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS) e o campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul.

A luta dos trabalhadores de Erechim e da região nos anos de 1980 foi, conforme o petista, de “grande importância para o surgimento de um novo sindicalismo, que passou a lutar pela Previdência Social para a mulher e pelo aumento do benefício para os homens, pelo Sistema Único de Saúde, por crédito e pelo reconhecimento da agricultura familiar como unidade de produção”. “Algumas destas bandeiras foram conquistadas na Constituição de 1988”, apontou.

Os desafios para o município, na sua avaliação, ainda são grandes. “Além de fortalecer a agricultura familiar, é preciso enfrentar os gargalos de infraestrutura de transporte, energia e acesso à informação”, defendeu.

Os deputados Zé Nunes (PT) e Zilá Breitenbach (PSDB) se somaram à homenagem por meio de apartes.

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Grande Expediente

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30