TRIBUNA
Pronunciamentos na tribuna nesta quinta-feira
Celso Luiz Bender - MTE 5771 | Agência de Notícias - 16:00 - 24/05/2018 - Edição: Sheyla Scardoelli - MTE 6727 - Foto: Marcelo Bertani
Nelsinho Metalúrgico, 2ª vice-presidente da AL, coordenou os trabalhos
Nelsinho Metalúrgico, 2ª vice-presidente da AL, coordenou os trabalhos
Confira o resumo dos pronunciamentos durante o período das Comunicações da sessão plenária do Parlamento gaúcho desta quinta-feira (24). A íntegra das manifestações dos deputados e deputadas pode ser ouvida no endereço www.al.rs.gov.br/legislativo, em áudios das sessões.
 
O deputado Sérgio Turra (PP) voltou a comentar a paralisação dos caminhoneiros, “em consequência da absurda e constante elevação dos combustíveis, com destaque para o óleo diesel. Afinal, a economia do país movimenta-se sobre rodados de caminhões”, adicionou. Disse que sua expectativa era de que houvessem avanços em nova reunião que acontecia naquele instante em Brasília, entre governo e lideranças da categoria. No entanto, apontou, “não se pode aceitar que haja novos paliativos. São necessárias medidas concretas, de prazo alongado, para dar tranquilidade aos que dependem dos combustíveis e à sociedade como um todo”, apontou. Igualmente defendeu a redução de impostos sobre o produto. “São 16% de impostos federais e 29% de ICMS. Os Estados, como entes federados, devem mudar suas estratégias de arrecadação, de estrangulamento dos contribuintes, a partir da elevação de ICMS. Não se pode mais conviver com esta situação. O caminho deve ser outro, de gestão eficaz para atender a quem precisa”, analisou. Disse, ainda, que o país sofre com os desmandos por parte dos que estiveram 14 anos à frente do país. “Sofrem, lá na ponta, os pequenos produtores de suínos, de frango e de leite, estes últimos jogando fora sua produção, em num país com milhões de necessitados”, lamentou.
 
Pedro Westphalen (PP) igualmente tratou da greve dos caminhoneiros. “É o resultado da exaustão desta categoria, que chegou ao limite. E a sociedade entende o que acontece, e dá seu apoio à classe”, ressaltou. Afirmou que no momento da economia nacional “não há como indexar os combustíveis (ato associado à elevação do dólar) sem que haja a indexação do restante. A sociedade não acompanha”, registrou. Lembrando que 88% da produção gaúcha são transportados pelas rodovias (e no país o número é próximo a isso), ainda como reflexos de políticas “equivocadas dos anos 50”, Westphalen observou que não há saúde econômica sem planejamento, e que os constantes aumentos dos combustíveis influenciam por demais a organização orçamentária. “É necessária uma política permanente para o setor, construída com seriedade e sinceridade social”, emendou. Informou, de outra parte, que numa outra oportunidade voltará á tribuna para fim específico de prestar contas quanto às ações da secretaria dos Transportes, da qual foi titular no governo Sartori. “Foram muitas as conquistas e muitos avanços e precisamos registrar as conquistas”, anunciou.
 
Sérgio Turra (PP) voltou à tribuna para registrar ação da Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada em Crimes Rurais e Abigeato (Decrab), na Serra, “apesar de haver delegacias apenas em Bagé e Santiago. Este é um crime terrível, por todos o processo envolvido e porque, ao final, cai carne não fiscalizada na mesa do consumidor”. Informou que na ação foi descoberta nova forma de burlar a lei. “Agora existe o gado fantasma. O comércio clandestino de carne, sem o animal, por meio somente de notas, sendo que os animais são desviados”, comentou. Alertou para que todos os que são ligados ao campo, à produção de gado e carne, que acionem a Polícia quando detectarem irregularidades. “Foi assim que os agentes chegaram aos criminosos na Serra, por meio de denúncia. Não pode haver trégua à bandidagem”, sublinhou.
 
Luiz Fernando Mainardi (PT) disse que estava na tribuna para trazer sua indignação em relação á saúde pública no RS, “em especial a situação lamentável da Santa Casa de Misericórdia de Livramento”, destacou. É algo nunca visto pela comunidade, prosseguiu. Conforme ele, a instituição está inviabilizada, “uma vez que o governo do Estado não cumpre com seu dever e responsabilidade, de repassar os recursos devidos à casa de saúde”. Lembrou que, no último ano do governo Tarso, a Santa Casa recebeu, em 2014, R$ 16 milhões. O máximo repassado pelo governo Sartori foram R$ 3 milhões, em 2015 e 2016. Não se tem números sobre 2017”, emendou. Segundo ele, a Santa Casa tem R$ 1,8 milhão mês de despesas e R$ 1,5 milhão mês de receita, “portanto trabalhando no vermelho, ao passo que atrasa a folha de pagamento dos funcionários entre dois e três meses. Em meio a este caos, profissionais estão deixando o hospital, ao passo que o Executivo deve aproximados R$ 2 milhões à instituição”, frisou. Disse que deixava seu protesto e indignação registrados, “ao mesmo tempo em que o município aguarda ação efetiva das autoridades”.
© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Sessão Plenária

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30