COMISSÃO ESPECIAL SOBRE A LEI KANDIR
Definidas ações para pressionar por votação da regulamentação das perdas da Lei Kandir
Letícia Rodrigues - MTE 9373 | Agência de Notícias - 18:20 - 09/07/2018 - Edição: Sheyla Scardoelli - MTE 6727 - Foto: Marcelo Bertani
Audiência pública reuniu deputados, representantes do Executivo, Judiciário e prefeitos
Audiência pública reuniu deputados, representantes do Executivo, Judiciário e prefeitos

Na tarde desta segunda-feira (9), ao final de audiência pública da Comissão Especial sobre a Lei Kandir, foram definidas ações que serão implementadas nos próximos dias para pressionar a Câmara dos Deputados a votar o projeto que vai redefinir os valores a serem pagos para repor as perdas que a lei ocasionou aos estados e municípios. O debate, coordenado pelo presidente da comissão, deputado Frederico Antunes (PP), reuniu deputados, representantes do Executivo, do Tribunal de Justiça, da Famurs, da Confederação Nacional dos Municípios, Associações de Municípios e prefeitos.

A Comissão irá solicitar que a bancada federal gaúcha marque uma audiência com o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (DEM/RJ), no dia 30 ou 31 de julho, para que haja imediata inclusão do PLC 511/2018 na pauta de votações da Câmara logo no início da volta do recesso, que será no dia 1º de agosto. No encontro, deve ser entregue a Maia o abaixo-assinado a favor da votação, que conta com a assinatura dos 55 deputados estaduais do RS, de mais de 225 prefeitos, dos três senadores gaúchos e de pré-candidatos ao governo do Estado.

A estimativa é que o Rio Grande do Sul tem R$ 50 bilhões a receber da União de um total de R$ 550 bilhões, soma de todos os estados exportadores, referente às perdas acumuladas desde 1996, quando a Lei Kandir entrou em vigor. Ela desonera o ICMS de produtos primários ou semielaborados, com o objetivo de fomentar as exportações. Na época de sua criação, a União se comprometeu a repor as perdas com a arrecadação do principal tributo estadual, mas nunca o fez como deveria.

Outra iniciativa diz respeito à mobilização que será feita junto aos deputados federais. Foi sugerido que prefeitos enviem mensagens aos parlamentares, assim como as câmaras de vereadores façam moções de apoio à votação. A mobilização das Assembleias Legislativas, dos Executivos e dos Judiciários dos 16 estados que mais tiveram perdas com a Lei Kandir também está entre as ações propostas. Os deputados estaduais também irão solicitar que os deputados federais de suas bancadas pressionem seus líderes na Câmara para que a matéria seja votada.

A pressa se justifica porque o prazo para que a regulamentação do repasse das perdas seja feito expira em 30 de agosto de 2018, conforme determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado. Caso contrário, o Tribunal de Contas da União deverá assumir a função.

No entanto, tanto Frederico Antunes quanto os participantes da audiência salientaram que o TCU não teria interesse em fazer essa regulamentação e que precisaria recomeçar todo o estudo que já foi feito por duas comissões, uma na Câmara e outra no Senado, o que faria com que o processo demorasse mais ainda.     

Tramitação no Congresso
No começo da audiência pública, Frederico Antunes fez a retrospectiva da Lei Kandir dentro do Congresso Nacional, com a aprovação do texto da regulamentação nas duas Casas, por meio de comissões especiais. O trabalho resultou no PLC 511/2018, que está apto a ser votado. Registrou também reuniões com ministros, deputados e senadores gaúchos em Brasília para tratar do tema. Lamentou ainda a falta de representantes da bancada federal gaúcha na audiência, lembrando que os parlamentares foram convidados e que a data do debate (segunda-feira) foi feita justamente para viabilizar sua presença na AL.

O deputado Tarcísio Zimermann (PT), relator da Comissão Especial, lembrou das ações realizadas em 2017 pela Casa, sob a presidência do deputado Edegar Pretto (PT), com a inclusão do tema como um dos principais da gestão. Lamentou que a Lei Kandir seja tratada como um "não-tema" na Câmara dos Deputados. "Chega a ser surpreendente que a bancada estadual esteja muito mais mobilizada que a bancada federal", declarou.

O secretário estadual da Fazenda, Luiz Antônio Bins, destacou a importância da aprovação do PLC para minimizar a crise financeira dos estados e municípios. Conforme Bins, o RS perde anualmente R$ 4 bilhões de arrecadação em ICMS em virtude da Lei Kandir e a União ressarce o estado em R$ 380 milhões, o que significa uma diferença de R$ 3,6 bilhões ao ano. Também salientou que as perdas passadas chegam a R$ 50 bilhões. Sobre o PLP destacou três questões: ele prevê para 2018 ainda o repasse de R$ 1,9 bilhão aos estados exportadores, dos quais R$ 185 milhões seriam para o RS; as perdas correntes serão ressarcidas nos valores de R$ 39 bilhões ao ano (50% do valor em 2019, 25% em 2020 e o total do valor a partir de 2021) e está previsto o pagamento das perdas passadas no prazo de 30 anos.  

O presidente da Famurs, Antônio Cetolin, lembrou que os municípios gaúchos deixam de arrecadar R$ 1 bilhão ao ano. "Estamos à disposição. Vamos mobilizar as federações nos outros estados e os prefeitos do RS", garantiu.

Mobilização pela regulamentação
O procurador-geral do Estado, Euzébio Ruschel, também destacou que o tema é fundamental para a recuperação fiscal dos estados e municípios. Rememorou a tramitação do tema na Justiça, em ação movida pelo Estado do Pará, e que culminou com a definição do STF de que o Congresso Nacional deveria, em 12 meses, regulamentar o repasse das perdas. Ressaltou que no processo ainda há uma petição da União pedindo a extensão desse prazo de 12 para 24 meses e que o PLC prevê o ressarcimento das perdas passadas. "Por isso, é importante essa mobilização. Caso não haja a regulamentação, será bastante desastroso para estados e municípios", afirmou.

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Glademir Aroldi, disse que a Lei Kandir, junto com o ISS e os royalties são temas fundamentais a serem definidos para que os atuais prefeitos possam concluir seus mandatos com tranquilidade. Defendeu que os valores devidos pela União possam ser utilizados para o abatimento das dívidas do estado e dos municípios, no chamado ajuste de contas. Exemplificou que, se o PLC for aprovado, o município gaúcho que menos receberá repasses, devido a menor participação no coeficiente do ICMS, receberá R$ 250 mil ao ano, enquanto Garibaldi receberá R$ 4 milhões, Uruguaiana terá R$ 7 bilhões e Porto Alegre, R$ 85 bilhões. 

Também se manifestaram durante a audiência pública o desembargador Carlos Roberto Lofego Caníbal, representando o Tribunal de Justiça do RS; os deputados Edegar Pretto (PT), Vilmar Zanchin (MDB), Zilá Breitenbach (PSDB) e Gilmar Sossella (PDT); e os prefeitos de Vila Maria, Maico Betto; de Boa Vista do Sul, Aloisio Rissi; de Cotiporã, José Carlos Breda; e de Barra do Quaraí, Iad Mahmoud Abder Rahim Choli.

Presenças
Também estiveram presentes os deputados Fábio Branco (MDB), Elton Weber (PSB), Edson Brum (MDB), Adolfo Brito (PP) e Juvir Costella (MDB), além de representantes de Associações de Municípios, da Secretaria da Fazenda de Porto Alegre e da senadora Ana Amélia Lemos (PP/RS).

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Comissão Especial Lei Kandir

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30