AUDIÊNCIA PÚBLICA
Professores e alunos cobram diálogo com governo sobre o destino da EPS
Olga Arnt - MTE 14323 | Agência de Notícias - 15:24 - 08/08/2018 - Edição: Celso Bender - MTE 5771 - Foto: Guerreiro
Reunião lotou o Plenarinho da Assembleia
Reunião lotou o Plenarinho da Assembleia

Professores e alunos da Escola Estadual de Educação Profissional em Saúde marcaram posição na audiência pública da Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, realizada na manhã desta quarta-feira (8), contra as alternativas apresentadas pelo governo do Estado para resolver o impasse vivido pela instituição, desde que encerrou a cessão de uso do terreno em que está localizada há duas décadas.

Construída na mesma área do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, a EPS deverá ser transferida até o final do ano para outro lugar para que o HC possa concluir o projeto de ampliação de 70% de sua área física. O local onde a escola hoje está instalada deverá ser usado para mobilidade viária, garantindo o acesso de ambulâncias, veículos e público em geral. “Temos a convicção de que saindo dali a escola acaba”, desabafou a diretora da EPS, Rita Mombelli.

Ao criticar a alternativa oferecida para a transferência da escola, o terceiro andar do Colégio Júlio de Castilhos, Rita argumentou que o local não tem as menores condições de abrigar os laboratórios da EPS. “Isso é uma solução de faz de conta, que desrespeita nossos alunos e professores. Vamos ter, inclusive, que disputar espaço com a Banda Juliana, que também ocupa o terceiro pavimento do colégio”, apontou.

Para a vice-diretora, Nádia Antunes Martins, é difícil vislumbrar o funcionamento seguro e qualificado da escola, que tem 1.200 alunos, fora do prédio onde atualmente funciona. “Transferir os laboratórios para qualquer local, como propõe o governo, coloca todos em risco, inclusive, de incêndios. Para instalá-los, tivemos que fazer diversas alterações na rede elétrica”, apontou.

Nádia acusou o governo não ter noção do custo da solução que apresenta. “A Secretaria de Educação não tem ideia do que é preciso para ter um laboratório de Análises Clínicas ou de Radiologia e muito menos do custo para transferi-los e reinstalá-los. Se tivessem noção, não proporiam a transferência para o Carandiru, como é conhecido o terceiro andar do Julinho”, criticou.

Contraponto
O diretor adjunto da Secretaria de Educação, Carlos Alexandre d Ávila, rebateu críticas de que o governo do Estado está sendo omisso em relação ao destino da instituição e sustentou que a intenção de transferir a EPS não partiu do Executivo. “No nosso entendimento, a escola está muito bem onde está. Mas há uma questão legal, que é o fim da cessão de uso do terreno onde está localizada. Ninguém acha bom desmanchar uma escola, mas o terreno não é nosso”, alegou.

Ele acredita, no entanto, que se o propósito é utilizar a área para fins de mobilidade urbana há margem para procurar outras alternativas que preservem a escola no local original.

O representante do Hospital de Clínicas, José Roberto Goldim, afirmou que não há nenhuma intenção por parte do hospital de impor qualquer tipo de limitação de uso à escola. “O que está em discussão não é a escola. É o terreno em que está localizada”, frisou, lembrando que a conclusão da ampliação do HC implicará numa modificação total da área.

Goldim, que integrou o grupo que concebeu a EPS no final dos anos 80 e foi seu primeiro diretor, disse ainda que a situação não deve ser tratada como um embate entre Escola de Saúde, Hospital de Clínicas e Seduc, mas como uma ampliação de oportunidades para própria EPS a partir do surgimento de novos cenários na área da saúde, exigentes de formação profissional. Ele ressaltou também que a discussão sobre o uso do terreno não é nova e vem sendo travada há cinco anos.

Já a professora Ana Rita Berti Bagestan, integrante do Conselho Estadual da Educação, afirmou que a entidade se manifestará oficialmente quando e se for aberto processo para credenciamento de um novo local para abrigar a escola. “Qualquer espaço para este fim terá que atender a legislação e as normas técnicas específicas à instalação de uma escola técnica”, avisou.

O promotor Ricardo Schinestsck Rodrigues revelou que o Ministério Público tomou conhecimento do impasse há três meses e que está disposto a ajudar na construção de uma solução mediada. “Acreditamos que há espaço para uma negociação que atenda aos interesses da educação, da saúde e da instituição”, frisou.

Apoio parlamentar
Para o presidente da Comissão de Saúde e Meio Ambiente, deputado Altemir Tortelli (PT), ficou evidente que uma escola como as peculiaridades da EPS “não pode ser transferida de uma hora para outra, sem planejamento”. Na sua opinião, a melhor alternativa é manter a escola junto ao HC, mas, se for imprescindível transferi-la, é necessário um prazo de pelo menos um ano para que um “novo espaço seja consolidado”.

Tortelli classificou de estranha a forma passiva com que o Estado vem tratando do tema. “Se a escola é tão importante como diz, por que o governo não chamou as partes envolvidas para dialogar? E, se tem que transferi-la, qual a compensação que está pleiteando por conta dos investimentos feitos naquele espaço?”, questionou.

O deputado Pedro Ruas (PSOL) fez duras críticas à transferência da EPS. “Neste momento, a reprodução da lógica que conduz as ações dos governos estadual e federal atinge a EPS. É a lógica do lucro e suas decorrências, que nos coloca entre duas opções: uma escola ou um estacionamento”, declarou.

Ele criticou também o projeto de ampliação da área física do HC por não criar um só leito do SUS. Goldim negou que o terreno onde a escola está instalada será destinado para um estacionamento de carros.

O deputado Sérgio Peres (PRB) defendeu a abertura de um processo de diálogo entre o governo, o HC e a comunidade escolar para encontrar uma solução para o impasse.Sugeriu o estudo de uma possível modificação no projeto de ampliação do HC para manter a escola no local.

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000

Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30