Saúde
Valdeci denuncia revogação do regimento da Secretaria da Saúde
Marcelo Antunes - MTB 8511 | PT - 12:14 - 22/09/2021 - Foto: Divisão de fotografia
Na contramão das orientações feitas por pesquisadores e órgãos de regulação da área da saúde de diferentes países, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS), de que os sistemas de fiscalização e acompanhamento sanitários devem ser fortalecidos e ampliados, o governo gaúcho mostra que o tema tem pouca relevância em sua agenda política. De acordo com a denúncia feita pelo deputado Valdeci Oliveira (PT) na quarta-feira 22/9, na Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, a partir de documento recebido do Fórum Sindical de Saúde do Trabalhador (FSST), o Executivo estadual, sem nenhuma comunicação ou aviso prévio, revogou o decreto 44.050/2005, do Regimento Interno da Secretaria Estadual de Saúde (SES) e publicou um novo, de número 55.718, em que o estado mantém apenas a estrutura básica da SES.

Concomitantemente com a revogação, o governo realizou uma perícia de avaliação trabalhista dos técnicos do Centro de Vigilância Sanitária, concluindo pelo fim dos adicionais de insalubridade recebidos pelos trabalhadores e trabalhadoras que realizam a função. “Em plena pandemia, o governo deixa a principal secretaria responsável por responder à crise sanitária sem a legislação que define as competências para o trabalho dos funcionários”, destaca o documento do FSST.


Para Valdeci, a questão é muito preocupante, pois o Regimento Interno é a legislação que reúne um conjunto de normas que regulamenta o funcionamento de uma organização detalhando, por exemplo, níveis hierárquicos e competências, e permite uma gestão harmoniosa da SES para que esta cumpra sua função pública instituída. “Essa revogação indica um enfraquecimento no propósito de se controlar a pandemia através de ações preventivas organizadas, seja por meio do distanciamento social, bloqueio vacinal ou monitoramento por testes ou por outras medidas de caráter preventivo. Assim, todo o esforço nesse sentido ficará a cargo dos municípios e das redes de assistência. Também indica que o governo pode acabar com as atividades de fiscalização e inspeção na SES”, destacou Valdeci durante sua manifestação.


De acordo com as entidades que integram o FSST, a mudança foi feita sem que houvesse debate ou discussão junto ao Conselho Estadual de Saúde (CES), Assembleia Legislativa, sindicatos dos trabalhadores, municípios e sociedade em geral. Diante do contexto apresentado, o Fórum Sindical reivindica a republicação do regimento anterior e que seja aberta uma negociação com integrantes do controle social, deputados e municípios para a atualização do Regimento da SES. “Essa medida do governo vai em direção oposta a tudo o que vem sendo recomendado nos últimos 18 meses, quando a pandemia colocou de joelhos todos os países, colapsou os respectivos sistemas de saúde e ceifou a vida de milhões de pessoas ao redor do planeta. É inconcebível e inaceitável”, acredita Valdeci, que solicitou à presidência da CSMA que a denúncia seja registrada nos anais da Comissão para que haja ampliação do debate.

© Agência de Notícias
Reprodução autorizada mediante citação da Agência de Notícias ALRS.
© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.
Versão de Impressão
Comissão de Assuntos Municipais, reunião virtual

PESQUISA DE NOTÍCIAS
Termo
Período
   


TV Assembleia

Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul - Praça Marechal Deodoro, 101 - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300 - PABX (51) 3210.2000
Horário de atendimento: das 08:30 às 18:30